expresso.ptexpresso.pt - 26 mar 16:23

Coronavírus afunda vendas de combustíveis mais de 50%

Coronavírus afunda vendas de combustíveis mais de 50%

Gasolineiras estão a sofrer uma das maiores quedas de sempre na venda de gasolina e gasóleo devido à pandemia. Há postos em que a quebra chega aos 60%, revelam ao Expresso fontes do sector petrolífero

“Na semana passada as vendas caíram menos, mas esta semana a queda está a ser muito grande”, conta uma fonte do sector petrolífero ao Expresso. Outro responsável de uma das maiores empresas do mercado confirma: em comparação com o mesmo período do ano passado, as vendas de combustíveis rodoviários em Portugal estão a cair mais de 50%.

Segundo esta última fonte, a venda de gasóleo está a recuar 40% em termos homólogos, enquanto a comercialização de gasolina se afundou 60%. Contactado pelo Expresso, o secretário-geral da Apetro – Associação Portuguesa das Empresas Petrolíferas, António Comprido, disse não dispor para já de números sobre a atividade das últimas semanas.

A diminuição das vendas tem sido crescente de dia para dia. Se em alguns postos as vendas no domingo estavam 20% abaixo do ano passado, na segunda-feira a queda era já de 30% e “já há postos em que as quedas são superiores a 60%”, conta uma das fontes ouvidas pelo Expresso.

O movimento de camiões no parque da CLC (empresa que gere a armazenagem de várias petrolíferas em Aveiras) tem sido menor. Mas o problema maior está agora na rede de venda ao cliente final, ameaçando sobretudo os postos que são propriedade de operadores independentes (que não pertencem às maiores gasolineiras).

��Os postos estão a perder dinheiro. Nos postos operados por terceiros vamos ter que injetar liquidez. Com quebras de 50% os prazos de pagamento terão de se estender para o dobro e as companhias vão ter que fazer notas de crédito para manter postos abertos”, explica um gestor do sector petrolífero. “Se não… daqui a um mês fecham”, avisa.

Esta quinta-feira a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) revelou no seu boletim mensal que em fevereiro as vendas de combustíveis em Portugal recuaram 6,5% face ao mês anterior, mas a estatística não tinha ainda quaisquer dados de março.

Os próximos dias poderão ser especialmente exigentes para a indústria do sector, no sentido de encontrar soluções de tesouraria e flexibilidade que permitam aos revendedores de combustível manter as portas abertas num contexto de queda da procura superior a 50%.

1
1