rr.sapo.ptrr.sapo.pt - 25 mar 22:56

Coronavírus. Mais de três mil milhões de pessoas confinadas em casa

Coronavírus. Mais de três mil milhões de pessoas confinadas em casa

O valor representa mais de um terço de toda a população mundial. Panamá foi o último país a aderir ao confinamento obrigatório.

Veja também:

Mais de três mil milhões de pessoas em quase 70 países ou territórios estão atualmente confinadas nas suas casas por ordem das autoridades para combater a propagação da covid-19, segundo um balanço avançado esta quarta-feira pela AFP.

As populações em questão já representavam, desde terça-feira, mais de um terço da população mundial atual, estimada pelas Nações Unidas em 7,8 mil milhões de pessoas.

Uma grande parte dos países ou territórios afetados pela pandemia decretaram um confinamento obrigatório das suas populações: um conjunto de cerca de 40 países e territórios que representam pelo menos 2,3 mil milhões de pessoas, de acordo com o balanço da France-Presse (AFP).

Entre estes estão a Índia, vários estados no território dos Estados Unidos (como a Califórnia), a Colômbia, a Argentina, o Nepal, o Iraque e muitos países europeus (Reino Unido, França, Itália, Espanha, Portugal, entre outros).

O Panamá é o caso mais recente a integrar esta lista.

Na quinta-feira, será a vez da África do Sul, que também decretou a partir desse dia o confinamento obrigatório da população.

Na maioria destes países e territórios, ainda é possível sair de casa para ir trabalhar, comprar produtos de primeira necessidade ou ir a consultas médicas.

Em pelo menos outros sete países ou territórios (que representam uma população total de mais de 416 milhões de pessoas), incluindo o Irão, a Alemanha ou o Canadá, as autoridades locais pediram às respetivas populações para ficarem em casa, mas sem tomarem medidas coercivas.

A Rússia foi o último país a avançar, esta quarta-feira, com estas recomendações.

Pelo menos outros 18 países ou territórios (representando mais de 300 milhões de pessoas) adotaram o recolher obrigatório, proibindo saídas noturnas de casa. É caso do Egito, Costa do Marfim, Chile, Manila (capital das Filipinas) e Sérvia.

O recolher obrigatório mais restritivo foi decretado no Equador: os habitantes só podem sair das respetivas casas entre as 05:00 e as 14:00.

A AFP contabiliza ainda pelo menos cinco países que colocaram em quarentena as suas principais cidades, proibindo as entradas e as saídas nessas zonas.

Esses exemplos são Kinshasa, a capital da República Democrática do Congo, as cidades de Riade, Medina e Meca na Arábia Saudita ou Baku, capital do Azerbaijão.

Estas cidades representam um total de quase 30 milhões de habitantes.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia, cujo epicentro é atualmente a Europa.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera, e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de 19 de março e até às 23h59 de 2 de abril.

1
1