expresso.ptLuísa Salgueiro - 25 mar 08:42

A mim, sim

A mim, sim

Opinião

Infelizmente registam-se por todo o mundo taxas elevadas de infeção entre profissionais
de saúde e tantos outros profissionais para quem não é possível ficar em casa.


Perante uma crise como a que vivemos, as autarquias estão também na linha da frente. É
preciso cuidar dos que ficam ainda mais fragilizados com o isolamento social. É preciso
garantir que todos têm acesso aos bens básicos. É preciso garantir e reforçar a limpeza e
desinfeção dos espaços e equipamentos públicos. É preciso assegurar que, embora sob
pressão, todos os recursos essenciais estão disponíveis e que funcionam.

Ser presidente de uma câmara municipal, como a de Matosinhos, num momento de
emergência nacional, é ter de estar disponível para tudo o que for necessário. É,
também, ter de começar a preparar o amanhã… definir planos que minimizem o impacto
local que a pandemia está já a ter.


E tudo isto à velocidade alucinante das notícias que nos esmagam… às vezes as notícias
parecem distantes. Outras vezes não poderiam estar mais próximas. Por indicação das
autoridades de saúde, por ter estado, como cada vez mais portugueses, em contacto com
um caso positivo, fiz o teste… e o meu resultado foi um inesperado positivo.

Não que pensasse que estava imune a este vírus que tem virado o nosso mundo do
avesso, mas porque partilho com o resto da humanidade aquele sentimento de otimismo
ingénuo que nos faz pensar “a mim não”.


Mas, neste dia 20 de março, a mim sim.


Sou, hoje, uma das mais de 2.000 pessoas que em Portugal se encontram infetadas.
Apesar de ter tido todos os cuidados, reforçados no meu caso por ter consciência de que
o meu trabalho me expunha um pouco mais a este perigo. Apesar de, na Câmara
Municipal de Matosinhos, termos tido uma ação prudente e atempada, implementando
muitas das medidas de contenção que vigoram, agora, no país todo.


Continuo a trabalhar serenamente. Com recurso à tecnologia que nos aproxima mesmo
durante o isolamento, continuo a coordenar a ação do município durante esta crise.

Apesar de isolada num espaço confinado da casa – um quarto e uma casa de banho são
agora o espaço em que me movo - conto com o apoio da família, que nas alturas mais
difíceis é o nosso pilar, o nosso porto seguro.

Neste momento todos devemos ser parte da solução. Seja nos municípios, no país, na
Europa ou no mundo, este é o tempo de trabalharmos juntos. Com confiança, com
respeito e com determinação.

1
1