expresso.ptexpresso.pt - 25 mar 22:54

Júdice desafia Marcelo a "montar um Governo de salvação nacional" com PS e PSD

Júdice desafia Marcelo a "montar um Governo de salvação nacional" com PS e PSD

"Se há momento em que um Governo de salvação nacional é necessário, é este". Na SICN, José Miguel Júdice desafiou esta quarta-feira Marcelo Rebelo de Sousa a patrocinar um Governo de Bloco Central. Na sua opinião, o Presidente "deve exigir urgentemente um acordo PS/PSD"

"Marcelo deve exigir urgentemente um acordo entre PS e PSD" defendeu José Miguel Júdice, esta quarta-feira à noite, na SICN, considerando que "se há momento em que um Governo de salvação nacional é necessário, é este".

No seu habitual espaço de comentário na estação, Júdice - que há 40 anos militou contra o Governo de Bloco Central -. considera agora que essa seria "a solução melhor" para gerir uma situação que classificou como "pior do que uma guerra".

"A situação é muito dramática e neste momento há uma grande unanimidade nacional, mas daqui a um, dois, três meses as coisas vão correr pior e vão ser precisas medidas muito difíceis", afirmou o comentador, Na sua opinião, o ideal seria mesmo um Governo de "salvação nacional" que incluisse todos, esquerda e direita, mas não sendo isso viável a "melhor solução" é um Governo de Bloco Central.

O Presidente da República deve, segundo José Miguel Júdice, ser "a figura cimeira a montar esta operação". Porque "ser Presidente é correr riscos" e Marcelo "deve exigir urgentemente um acordo entre PS e PSD".

Muito crítico dos apoios decretados pelo Governo de António Costa às empresas - poucos, tarde e errados -, José Miguel Júdice alertou que há 3 milhões de trabalhadores nas micro empresas portuguesas que "não precisam de crédito", mas que lhes "dêem dinheiro, de helicópetro".

Assim, concluiu, "o Governo está a perceber o tecido empresarial dos mais pequenos. Está a perceber o tecido empresarial dos maiores, e bem". Mas para o milhão de pequenas empresas que constituem o tecido empresarial português "os apoios do Governo são uma mão cheia de nada".

1
1