www.publico.ptpublico@publico.pt - 25 mar 17:06

Bolsonaro, o suicídio em directo

Bolsonaro, o suicídio em directo

Quem é que pretende ouvir um louco espernear e gritar durante meses? O pronunciamento de Bolsonaro foi um suicídio em direto. Mas a sua morte (política ou física) não será necessariamente imediata.

Na noite de dia 24 de março, Jair Bolsonaro fez um pronunciamento à nação que se pode ver integralmente online.

Foi um suicídio em direto.

O tom de voz, o olhar, a discordância evidente entre a intenção de transmitir confiança e o desespero do seu isolamento são perturbadores.

Referiu-se a Deus incessantemente.

Mas o que se vê e sente é que está pedindo a Deus que o salve. Pede-o de forma desesperada.

Falou como um alucinado.

Com um aspeto cansado e doente, apesar da voz empostada, insistiu em dizer novamente que a covid-19 não passa de uma gripezinha sem importância e deu-se como exemplo: “No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado com o vírus, não precisaria me preocupar. Nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho.” Vale a pena dizer que o seu motorista ingressou ontem no hospital com falta de ar e covid-19 positivo. E que Bolsonaro recusa mostrar o resultado dos seus testes.

Neste pronunciamento, pré-gravado de forma quase clandestina com auxílio familiar, em que o chefe de Estado contraria abertamente as diretivas dos governadores e do próprio Ministério da Saúde, pediu que as escolas voltassem a ter aulas e que o comércio abrisse as portas. Que a vida normal retomasse, ignorando o alastramento da doença e as normas do Ministério da Saúde.

Bolsonaro referiu ter estudado a epidemia em outros países. Garante que nada do que acontece no mundo acontecerá no Brasil. Atacou violentamente os governadores e os especialistas de saúde. Argumentou que o Brasil não é um país de velhos e que por isso não precisa de medidas alarmistas. Acusou a imprensa de sensacionalismo por divulgar diariamente o caso italiano.

Bolsonaro parece desconhecer que, independentemente da idade da população, a curva algorítmica de contágios e mortes é imparável em todos os países. E que no Brasil a locomotiva dos contágios e dos casos fatais está em marcha. Curiosamente, o Brasil talvez tenha uma pirâmide de idades mais parecida com a do Irão. E no Irão os mortos são incontáveis.

Quando se assiste ao pronunciamento do Presidente no YouTube, vê-se ao lado da sua imagem os comentários dos robôs construídos pelo marketing eleitoral – que continuam a escrever mecanicamente “mito”, “Bolsonaro 22”, “esse é o meu presidente”. Mas são robôs. O Brasil não pensa assim.

Na própria noite, o país reagiu em bloco. As críticas e o repúdio vieram de todas as frentes: governadores de Estado, congresso, senado, médicos, sociedade civil.

Fernando Henrique Cardoso pediu que Bolsonaro se calasse de vez. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, lançou uma nota de imprensa condenando Bolsonaro e sublinhando que “o país precisa de uma liderança séria, responsável”. Todos os críticos pedem que se sigam as normas da OMS e do Ministério da Saúde. O ministro da Saúde, naturalmente, não se pronunciou sobre as palavras delirantes do Presidente.

De uma maneira geral, quase todos acabam por dizer que Bolsonaro superou os limites da irresponsabilidade. Alguns médicos utilizam a palavra “criminoso”.

Aparentemente, Bolsonaro ganhou pontos no seu isolamento.

Ainda que haja à data de hoje meia dúzia de seguidores que o defendem com convicção religiosa (em parte por ódio ao PT, em parte por apreciarem a sua tentativa de copiar Trump), é muito provável que, nos próximos dias, este pequeno grupo desapareça gradualmente. O número de infetados e de mortos sobrelotando os hospitais e as morgues falará mais alto. Mesmo que os números oficiais venham a ser parcialmente falsificados, o que de certa maneira já acontece por ausência de testes.

Se Bolsonaro adoecesse ou se se comprovasse juridicamente a sua insanidade mental, o general Mourão, atual vice-presidente, teria de assumir interinamente a direção do Governo até o fim da crise sanitária ou até as próximas eleições.

Mas um afastamento pelo exército sem esse enquadramento clínico, ainda que retirasse um perigoso doente mental da presidência, seria um gesto inconstitucional, um golpe de Estado, temido por grande parte do país que não deseja o regresso de uma ditadura militar. Acresce a isso que nenhum dos ministros de Bolsonaro teve ainda a frontalidade de o criticar.

Na manhã seguinte ao pronunciamento à nação, nesta quarta-feira 25 em que escrevo, Bolsonaro continua a insistir publicamente no fim do confinamento, num dito “isolamento vertical”, que separe apenas os mais velhos. Talvez à semelhança do que foi tentado e abandonado em Inglaterra, numa etapa muito anterior da pandemia. E Bolsonaro ameaça tomar medidas mais fortes caso isso não aconteça. Perguntamo-nos que medidas.

Como reagem os militares a tudo isto?

Há comandantes que dão entrevistas dizendo ter vergonha da posição irresponsável de Bolsonaro. Há altos comandantes que, preocupados com a unidade das Forças Armadas, contrariam as ordens do Presidente e dão ordens explícitas aos soldados para obedecer às normas de saúde do ministério. O próprio vice-presidente tem exposto publicamente conflitos com Bolsonaro em várias situações. Nunca escondeu o desprezo que tem pelos filhos do Presidente, publicamente ligados a milicianos criminosos. Recentemente ficou célebre o petit-nom que o general Mourão encontrou para um dos filhos de Bolsonaro: “o Bananinha.” Mas sobre a posição do Presidente contra o confinamento e que pode desnortear a população ainda não se pronunciou.

Não se sabe exatamente que militares estão do lado de Bolsonaro apoiando o não confinamento, excetuando uma ou duas múmias. E o que pensam hoje pode ser muito diferente do que pensarão quando as palavras do Presidente forem totalmente desmentidas pela realidade. Por isso também Bolsonaro esperneia e quer agir rapidamente.

A alternativa do impeachment está naturalmente sobre a mesa e terá cada vez mais adeptos, sobretudo com a avalanche da crise sanitária. Mas o impeachment é um processo longo, moroso e desgastante.

Quem é que pretende ouvir um louco espernear e gritar durante meses?

O pronunciamento de Bolsonaro foi um suicídio em direto. Mas a sua morte (política ou física) não será necessariamente imediata.

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico

1
1