sol.sapo.ptsol.sapo.pt - 25 mar 16:55

PIB. Mário Centeno assume “cenário de recessão” em 2020

PIB. Mário Centeno assume “cenário de recessão” em 2020

Ministro das Finanças diz que “país está preparado” para crise, depois de Portugal ter registado um excedente orçamental de 0,2%, em 2019.

Apesar do ministro das Finanças garantir que Portugal “nunca esteve tão bem preparado para enfrentar uma crise. O fecho das contas de 2019 confirma o bom desempenho da economia e das contas externas”, admitiu que já está a trabalhar num “cenário de recessão” em 2020. Esta é a reação de Mário Centeno depois de o Instituto Nacional de Estatística (INE) ter revelado esta terça-feira que, em 2019, as administrações públicas registaram um excedente orçamental de 0,2% do PIB, a primeira vez que acontece no período de democracia.

O governante lembrou que a economia cresceu 2,9%, pelo quarto ano consecutivo acima da média da zona euro, mas afirmou que a expectativa é que este saldo se degrade significativamente este ano, tendo em conta a pandemia de covid-19. 

“O saldo orçamental deverá degradar-se alguns pontos percentuais do Produto Interno Bruto (PIB)”, lembrando que esta paragem no tecido empresarial irá ter impacto nas contas públicas. “Estaremos a falar de números que podem fazer com que o saldo das contas do Estado se venha deteriorar em alguns pontos percentuais do PIB”, revelou.

Para Mário Centeno não há dúvidas: “A natureza desta crise é muito diversa de outras”, como a de 2008-2009 e, como tal, considerou que “estamos a enfrentar uma crise temporária, num choque exógeno ao sistema económico, mas que, obviamente, neste instante, se reflete com uma intensidade nunca antes assinalada e registada na nossa capacidade produtiva”.

Orçamento com margens

O ministro das Finanças revelou também que o Orçamento que vai entrar em vigor a 1 de abril tem margens de acomodação para gerir o que será a execução orçamental, mesmo com o reforço da despesa na saúde e na Segurança Social (com os apoios às famílias e empresas para os quais não avançou um número). “As medidas que estamos a tomar tem uma execução orçamental que está dentro dos limites previstos, e atuaremos assim que for necessário e quando as condições o exigirem”, acrescentando que “o excedente de 2019 também é uma garantia para de defesa do país para as dificuldades que hoje enfrentamos”.

E lembrou que o rigor da execução orçamental tem permitido adaptar o Orçamento, dando como exemplo, o que se assiste na área da saúde, ao lembrar que a despesa anual do SNS cresceu 1630 milhões de euros, um aumento de 17,8%, nos últimos anos, enquanto as despesas com pessoal subiram 28% (mais 958 milhões de euros). Para Centeno estes investimentos “permitem-nos hoje estar muito melhor equipados para responder aos desafios que se nos colocam” e garante que os portugueses podem ter “confiança na capacidade e nos recursos do país para lidar com os desafios”.

E lembrou: “As medidas que estamos a tomar tem uma execução orçamental que está dentro dos limites previstos, e atuaremos assim que for necessário e quando as condições o exigirem”.

1
1