www.publico.ptpublico.pt - 15 fev 08:30

Ricardo Horta, o menino franzino que se transfigura em campo

Ricardo Horta, o menino franzino que se transfigura em campo

Herói da Taça da Liga e “guerreiro” do ano, o extremo lançado por José Mota, em Setúbal, e exaltado por António Salvador, em Braga, desfruta da melhor época da carreira, com números-recorde.

Sob a capa de herói da Taça da Liga, papel que encarnou no último frame da final arrebatada pelo Sp. Braga a um inconsolável FC Porto, Ricardo Horta vive o ponto mais alto da carreira, como se percebe pelos números impressionantes que o projectam para a galeria de notáveis do emblema minhoto, mas também pela marca humana que tem deixado no seu percurso.

Com um timing perfeito, os responsáveis “arsenalistas” elegeram-no futebolista do ano. António Salvador não poupou nos elogios, enfatizando a “capacidade e dedicação” de um verdadeiro “guerreiro”, que o líder do clube vê, num futuro próximo, como um dos melhores da história do Sp. Braga.

Tudo numa altura em que acaba de ser pai pela segunda vez, depois de em Setembro (em dia de aniversário) ter renovado os “votos” com os bracarenses até 2024. Ricardo Horta “resistiu”, para já, ao assédio de diversas equipas estrangeiras, como o histórico Newcastle United, que falhou a contratação (proposta estimada em 12 milhões de euros, distantes dos 30 da cláusula) na janela de mercado de Janeiro.

Irredutível, António Salvador aproveitou a Gala da Legião para lembrar que o Sp. Braga é a “casa” onde o extremo de Almada encontrou condições para se tornar no que é hoje, esperando que assim “continue por muitos e bons anos”.

Com o irmão André, dois anos mais novo, como companheiro de equipa, Ricardo Horta não poderia desejar muito mais neste momento da carreira que, apesar de tudo, tem uma lacuna bem perceptível: a selecção nacional. A única internacionalização A por Portugal até aconteceu bem cedo, cerca de uma semana antes de Ricardo comemorar o 20.º aniversário, então já como jogador do Málaga.

PÚBLICO - Foto

Em 2014, na “ressaca” do Mundial do Brasil, Ricardo Horta surgiu na convocatória de Paulo Bento (a última), para o arranque da qualificação para o Euro2016, numa jornada onde se fez sentir a ausência de Cristiano Ronaldo, lesionado. Portugal perderia, em Aveiro, com a Albânia (0-1), com Ricardo Horta a estrear-se no início da segunda parte, tendo entrado em campo poucos minutos depois do golo albanês.

Desde então, apesar dos 48 golos nas últimas quatro épocas ao serviço do Sp. Braga, o extremo continua a aguardar uma chamada de Fernando Santos, embora consciente de que poderá ter de conformar-se perante o quadro de opções do seleccionador, onde se afirma como um dos melhores do mundo o “favorito” de Pep Guardiola, Bernardo Silva, com quem evoluiu na formação do Benfica.

"Destacava-se claramente"

Antes de atingir um patamar de eleição, Ricardo Horta graduou-se nas escolas da Luz e, por fim, do Sado, atraindo a atenção dos espanhóis do Málaga ainda com 19 anos, facto que não o impediu de actuar em praticamente todos os jogos de La Liga, cerca de metade dos quais como titular, tendo falhado apenas seis partidas na primeira época.

A paixão espanhola esmoreceria na época seguinte, com os números a caírem, apesar de a aposta ter continuado, com a titularidade nos cinco primeiros jogos a ser abalada pela falta de resultados da equipa.

Ganhou o Sp. Braga, que no ano seguinte garantia, por empréstimo, o extremo português, que assim iniciou a subida a pulso na Pedreira, superando logo no primeiro ano os melhores números com a camisola do V. Setúbal.

Aliás, para perceber melhor um fenómeno que entre os 15 e os 17 anos foi orientado por Bruno Lage, no Benfica – técnico que hoje defronta, na Luz –, convém lembrar o momento da transição de júnior para profissional, na I Liga. Uma história que o então treinador do V. Setúbal, José Mota, recorda com indisfarçável carinho.

PÚBLICO - Foto

“Por hábito, vejo sempre os jogos da formação dos clubes por onde passo. Em Setúbal não foi diferente. O Hortinha destacava-se claramente e começou logo a treinar-se com a primeira equipa. Ele e outros três: o Rúben Vezo, o Frederico Venâncio e o Kiko”, lembra-se, orgulhoso de ser um dos técnicos que mais jovens valores promoveu.

Apesar de terem passado quase sete anos, José Mota recorda, sem hesitações, o jogo em que deu a primeira oportunidade ao extremo que, garante, se transforma por completo quando pisa o relvado. “Foi em Vila do Conde. Perdemos por 2-1 e foi o primeiro a entrar, para render o Cristiano”.

Horta tinha sido convocado para os jogos com o Paços de Ferreira e Sporting e, depois da estreia, não saiu mais da equipa, assumindo-se como “arma secreta” em todos os jogos até ao fim do campeonato, que terminou com a visita do Sp. Braga, de José Peseiro, ao Bonfim.

“Deixou logo de trabalhar com os juniores e confirmou não só o potencial como o excelente carácter e humildade. Fora de campo era um menino de uma extrema educação e tranquilidade. Tinha estabilidade familiar e ninguém dizia que aquele jovem franzino se transfigurava por completo em campo, onde era irreverente, agressivo e determinado… o oposto do que mostrava no balneário. Mas, acima de tudo, percebia-se que era muito inteligente. Sem dúvida, merece tudo o que está a viver”, garante José Mota, que mantém o contacto com Ricardo Horta, apesar de o ter perdido logo no final da primeira época completa como sénior.

Lugar na história

Agora, num primeiro balanço como “guerreiro do Minho”, após três temporadas de impressionante regularidade e consistência, sempre acima dos 40 jogos e com uma média superior a dez golos por época, Ricardo explodiu, pulverizando os seus próprios números para ameaçar os principais recordes obtidos pelas principais figuras do Sp. Braga.

A três jogos de igualar os 170 do antigo capitão Marcelo Goiano, uma referência “arsenalista”, Horta destaca-se já entre os grandes artilheiros, apenas atrás de Chico Gordo (76 golos), Mário (60), Karoglan (65), Alan (56), Barroso (54) e Gabriel Cardoso (52).

Já nas provas europeias, com pelo menos dois duas partidas para cumprir frente ao Glasgow Rangers, na presente temporada, nos 16 avos-de-final da Liga Europa, e a um golo de igualar os 11 de Alan, Ricardo pode rapidamente assumir-se como o maior goleador da história do clube em competições internacionais. A confirmar-se a extensão do filão, numa altura em que já arrasou as estatísticas, somando 17 golos numa época que dobrou, há menos de um mês, a primeira volta, Ricardo Horta segue inspirado dentro e fora de campo, faltando-lhe ainda – depois de ter festejado com Sporting e FC Porto – marcar ao Benfica.

1
1