expresso.ptexpresso.pt - 14 fev 16:41

Sem investimento público há uma década, Bragança capta €10 milhões para construção de hospital privado

Sem investimento público há uma década, Bragança capta €10 milhões para construção de hospital privado

Presidente da Câmara de Bragança lamenta que o velho Hospital de Bragança tenha caído no esquecimento. Sócrates prometeu €30 milhões de investimento e o atual Governo €1,5 milhões para intervenção no bloco operatório. Acionistas do Hospital Terra Quente, em Mirandela, e empresários brigantinos apostam no sector privado

A crescente falta de capacidade de resposta às necessidades dos pacientes do velhinho Hospital de Bragança levou a autarquia a apostar numa unidade de saúde privada, a construir de raiz até ao verão de 2021. O novo hospital conta com um investimento de €10 milhões, financiado por empresários do distrito de Bragança e terá ainda como acionista o Hospital Terra Quente, de Mirandela, até agora a única unidade hospitalar privada da região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

“O novo hospital privado de Bragança será uma infraestrutura que complementará as lacunas às quais o Serviço Nacional de Saúde não consegue dar resposta no distrito, servindo não apenas a população de Bragança, mas também as zonas limítrofes”, afirma Hernâni Dias, presidente da Câmara local.

O autarca social-democrata avança que o empreendimento, totalmente privado, conta com um investimento de €10 milhões e prevê a criação de mais de 100 postos de trabalho. “A saúde é um fator de atratividade para a fixação de gente nos territórios, seja pela qualidade de vida que assegura às populações, seja pela criação de novos postos de trabalho e, nessa medida, é importante para toda a região que Bragança tenha tido a capacidade de dar uma resposta positiva e captar este investimento”, refere Hernâni Dias.

A opção pela edificação de um hospital privado para assegurar a saúde dos transmontanos é justificada pelo autarca com o adiamento sucessivo da requalificação do Hospital de Bragança, a “carecer há longos anos de uma intervenção profunda”, quer ao nível das infraestruturas, como de equipamentos. “Quando José Sócrates era primeiro-ministro prometeu um investimento de €30 milhões, que nunca chegou. O atual Governo aprovou uma intervenção de €1,5 milhões no bloco operatório, também há anos, mas que ainda não chegou”, refere Hernâni Dias, advertindo que a área de “medicina interna dos homens é uma vergonha”.

Após anos de medidas “paliativas” no edificado do hospital público, o autarca sustenta que a aposta no sector privado foi o remédio mais rápido e eficaz para acudir à saúde da população local, “cada vez mais dependente de consultas, tratamentos e cirurgias” no Hospital Terra Quente de Mirandela, ao abrigo de um protocolo do SNS. “O encaminhamento de doentes para Mirandela acontece diariamente”, garante Hernâni Dias.

O futuro Hospital de Bragança será dotado de todas as valências hospitalares, com consultas de especialidade, meios auxiliares de diagnóstico, especialidades médico-cirúrgicas e residência sénior, assegurando, ainda, atendimento permanente. O projeto irá desenvolver-se em várias fases, arrancando a primeira unidade, provisoriamente, em abril, com a designação de 'Hospital Bragança – Clínica', destinada a consultas de especialidade e meios de diagnóstico.

Para o primeiro trimestre de 2021, prevê-se a abertura da unidade de saúde e, no verão do mesmo ano, a Residência Sénior, com capacidade para 80 camas, um centro de dia com capacidade para 20 utentes e um conjunto de serviços complementares diferenciados.

1
1