expresso.ptexpresso.pt - 14 fev 17:00

Fafe. Escritores de canções têm papel principal no teatro

Fafe. Escritores de canções têm papel principal no teatro

Vencedor de um Grammy, a estreia de André Henriques (vocalista dos Linda Martini) e Noiserv para ouvir no ciclo de cantautores 48/20. A programação arranca já este sábado com o concerto de Jesse Harris e estende-se até 27 de junho

“A ideia é sempre trazer novidades e arriscar.” O mote é dado pelo músico Valter Lobo, programador e mentor do ciclo 48/20, um evento gizado para dar palco, no Teatro Cinema de Fafe, a cantautores nacionais e internacionais. A programação da sexta edição arranca já este sábado, com a atuação de Jesse Harris, vencedor de um Grammy.

O escritor de canções nova-iorquino traz na bagagem os temas do novo álbum, intitulado “Songs Never Sung”, subindo ao palco pelas 21h30.

“As pessoas desconhecem, mas o americano Jesse Harris já ganhou um Grammy pela autoria de ‘Don’t Know Why’, de Norah Jones”, lembra Valter Lobo, em declarações ao Expresso.

“Gostamos de ter alguns exclusivos e estreias. Este ano, à semelhança dos anteriores, isso está bem patente”, frisa o responsável artístico. Exemplo dessa premissa é a atuação de André Henriques, mais conhecido do grande público como vocalista dos Linda Martini.

“E de Repente” — título do single de avanço do seu projeto a solo — o artista apresenta-se, pelas 17h de 29 de março, em estreia absoluta para uma matiné de domingo no Cinema Teatro de Fafe.

“Phill Veras esgota salas por todo o Brasil com a sua voz e violão”, enaltece Valter Lobo. É esperar para ver (e ouvir) se o mesmo acontecerá quando o “Vício” e o “Sorriso ao Sono” invadir o referido espaço cultural às 21h30 do dia 24 de abril.

Também as paisagens sonoras oníricas e encantatórias de Noiserv, o “homem-orquestra”, vão embalar Fafe. O imaginário musical delicado de David Santos, construído com camadas em loop, vai ecoar na noite de 29 de maio para um espetáculo mais “Neutro”.

“A maior parte dos artistas não são conhecidos do grande público, mas têm todos grande qualidade”, assevera o programador. A ilustrar essa mesma aposta em talentos emergentes, mais uma estreia no 48/20. O ciclo encerra no dia 27 de junho com um concerto de André Júlio Turquesa, cantautor representativo da uma nova geração de músicos nacionais, pronto para dar a provar o seu álbum de estreia.

O evento, contextualiza Valter Lobo, “tem crescido e aumentado o seu reconhecimento dentro e fora de portas”, “projetado para ter uma dimensão pequena-média”.

Em edições anteriores, nomes como os de Manel Cruz, Glen Hansard, Lisa Hannigan, Luís Severo ou Coelho Radioactivo já passaram pelo Teatro Cinema de Fafe.

1
1