expresso.ptexpresso.pt - 14 fev 23:40

Politizado, cético, urbano: como é o eleitor de Ventura

Politizado, cético, urbano: como é o eleitor de Ventura

Chega sobe, a direita tradicional não cai. Afinal, o que diferencia o eleitor deste novo partido daquele que continua fiel ao PSD e CDS?

De 1,3% nas legislativas para 6%: em quatro meses, o Chega multiplica por mais de quatro a sua intenção de voto, de acordo com a sondagem Expresso/SIC. A subida é significativa mas mostra, para já, um eleitorado muito concentrado: segundo os dados detalhados do inquérito, pedidos pelo Expresso ao ISCTE e ICS, onde mais cresce é mesmo na Grande Lisboa, tendo nesta região 40% das suas intenções de voto. O que, em eleições, teria uma consequência prática: Lisboa é o círculo que mais deputados elege e pelo qual Ventura acabou por chegar à AR, com pouco mais de 20 mil votos.

Olhando os dados à lupa, embora a amostra seja reduzida, há características que diferenciam o eleitorado que André Ventura está a conquistar daquele que, à direita, permanece fiel aos dois partidos tradicionais. Se os temas que mais preocupam os eleitores do Chega são o “estado da Saúde” e a “corrupção e Justiça”, os votantes do PSD e CDS destacam outros (a par do SNS), como ambiente, o coronavírus, ou o envelhecimento da população.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.

1
1