expresso.ptDaniel Oliveira - 13 fev 13:06

Quer que matem os velhinhos? Sim ou não?

Quer que matem os velhinhos? Sim ou não?

“Não podemos permitir que alguns deputados queiram decidir por nós”, disse o arcebispo de Braga. 45 anos de democracia representativa e a Igreja ainda não percebeu como ela funciona: é mesmo para isso que elegemos deputados — e não o arcebispo. Não encontro tema mais complexo para referendar do que este. É extraordinariamente técnico e o mais relevante está nos pormenores. E o debate no referendo será o que vimos num cartaz: “Por favor, não matem os velhinhos.”

A Igreja deu o tiro de partida, o tema serve para uma guerra fria dentro do PSD em que já entrou um Passos Coelho que deseja regressar à liderança do seu partido e Paulo Rangel, como é seu costume, pôs o dedo no ar para ver de onde sopra o vento, garantido que foi convencido da necessidade de fazer um referendo à regulamentação da eutanásia. Porque, repete o mantra de cada vez que se quer contornar a democracia representativa porque não se tem maioria parlamentar, não houve debate na sociedade portuguesa. Querem fazer isto “nas costas dos portugueses”, disse um eurodeputado habituado a tomar decisões muitíssimo menos escrutinadas do que esta. “Um arranjo”, afirma, revelando um surpreendente desprezo pelo parlamentarismo.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.

1
1