expresso.ptexpresso.pt - 16 jan 08:22

Nova caravana de migrantes hondurenhos atravessa fronteira da Guatemala em direção aos EUA

Nova caravana de migrantes hondurenhos atravessa fronteira da Guatemala em direção aos EUA

Cerca de 400 homens, mulheres e crianças juntaram-se na fronteira das Honduras com a Guatemala e furaram o contingente policial que lhes impedia a passagem. Segundo o MNE das Honduras, os cerca de 30 mil hondurenhos que se deslocaram em caravanas ou grupos menores continuam no México a aguardar resposta aos seus pedidos de asilo nos EUA

Centenas de hondurenhos entraram esta quarta-feira na Guatemala como integrantes de uma nova caravana de migrantes em busca de melhores condições de vida nos EUA.

A tentativa de darem um novo rumo às suas vidas estará condenada a chocar com as barreiras impostas pelo Presidente dos EUA, Donald Trump, em colaboração com os governos da América Central.

Cerca de 400 homens, mulheres e crianças juntaram-se em Corinto, na fronteira das Honduras com a Guatemala, aproximadamente 220 quilómetros a norte de Tegucigalpa, a capital hondurenha.

No entanto, um contingente policial bloqueou-lhes a passagem, conta a agência de notícias France-Presse (AFP).

Migrantes da caravana romperam cerco policial, outros foram detidos

Um oficial pediu-lhes que se dirigissem aos serviços de migração para se registarem antes de cruzarem a fronteira, mas os migrantes romperam o cerco da polícia e conseguiram entrar na Guatemala. Uma dúzia de agentes da polícia guatemalteca aguardava-os junto à estrada, mas deixou-os passar, limitando-se a escoltá-los em dois veículos.

Contudo, outros migrantes que chegaram posteriormente a Corinto, vindos de San Pedro Sula em pequenos grupos, foram detidos pela polícia que lhes pediu documentos, relata a AFP.

Fogem do desemprego e da violência, mas a entrada é cada vez mais penosa

A migração em caravanas iniciou-se nas Honduras em outubro de 2018, com cerca de duas mil pessoas a fugirem do desemprego e da violência de gangues e traficantes de drogas que dominam vastas áreas do território hondurenho.

Ao êxodo em massa somaram-se salvadorenhos, guatemaltecos e mexicanos, o que levou Trump a mobilizar militares para reforçar a segurança da fronteira na tentativa de impedir a passagem dos migrantes.

A colaboração dos governos de El Salvador, Guatemala e México para dificultar o êxodo dissuadiu os migrantes, pelo que esta nova caravana é algo inesperada.

Os cerca de 30 mil hondurenhos que se deslocaram em caravanas ou grupos menores continuam no México a aguardar resposta aos seus pedidos de asilo nos EUA, segundo o Ministério hondurenho dos Negócios Estrangeiros, citado pela AFP.

1
1