www.publico.ptnuno.pacheco@publico.pt - 16 jan 07:30

Um regresso a Eduardo Prado Coelho, que há-de voltar à televisão num filme

Um regresso a Eduardo Prado Coelho, que há-de voltar à televisão num filme

Os 51 minutos do documentário Resistir à Cegueira do Mundo trazem-nos, na soma de recortes de jornais e depoimentos, os múltiplos “eus” de Eduardo Prado Coelho.

Foi exibido em ante-estreia, no lisboeta Cinema São Jorge, o documentário Eduardo Prado Coelho, Resistir à Cegueira do Mundo, uma produção para a RTP2, realizado e produzido por Abílio Leitão, que também escreveu o guião de parceria com Fernando Luís Sampaio. Não o motivou nenhuma data “redonda”, daquelas que convidam a celebrações, pois nem o nascimento de Eduardo Prado Coelho (a 29 de Março de 1944, há quase 76 anos) nem a sua morte (a 25 de Agosto de 2007, agora a caminho dos 13 anos) se ajustam a tal. Mas podia ter sido: o filme é datado de 2017, quando se assinalaram dez anos do seu desaparecimento.

Independentemente dos méritos ou deméritos do filme (e disso tratarão os críticos), os seus 51 minutos trazem-nos, na soma de recortes de jornais e depoimentos, os múltiplos “eus” de Eduardo Prado Coelho (EPC), ao som de Mahler, Bach, Satie, mas também Martial Solal ou José Afonso. E ouvimos falar dele Colette Kleber, Alexandra Prado Coelho (sua única filha), Maria Eduarda (sua primeira mulher e mãe de Alexandra), Eduardo Lourenço, Maria Alzira Seixo, Paula Morão, Nuno Nabais, João Mário Grilo, Pierre Léglise-Costa, João Manuel Esteves, António Mega Ferreira, Alexandre Melo, entre outros. Uns, como Paula Morão, elogiando-lhe o “cruzamento de saberes” ou o facto de EPC ser um “franco-atirador” com “uma relação de toca-e-foge com tudo e mais alguma coisa” (Nuno Nabais); outros afirmando que ele foi “o maior embaixador da arte cinematográfica portuguesa” (João Manuel Esteves) ou um “tudólogo”, porque “nada do que era conhecível lhe era estranho” (António Mega Ferreira). Eduardo Lourenço, que como muitos portugueses o viu primeiro pela sua exposição mediática (“conheci-o antes de o conhecer”), faz-lhe ali um acertado elogio: “Não tinha o culto do patético, do trágico. (…) tinha o gosto da felicidade.”

PÚBLICO - Foto DANIEL ROCHA

Foi, aliás, Eduardo Lourenço quem no dia 26 de Agosto de 2007 (no PÚBLICO) melhor retratou a perda que a morte de EPC significava: “Com ele desaparece — como custa escrevê-lo — o actor mais disponível, mediático e plural da cena portuguesa da sua geração e do nosso tempo. Tudo lhe interessou, do cinema à poesia, da crítica literária, que teve nele o seu cronista-mor, à ficção, mar de sonhos sem fim que desde jovem se tornaram para ele uma precoce segunda life.” Na mesma edição, Pedro Mexia sublinhava-lhe igualmente os traços dessa ânsia intelectual, escrevendo que com ele desaparecia “o último crítico”: “O último com influência e prestígio, o último que desencadeava verdadeiros amores e ódios, o último conhecido mesmo por quem não lia os seus textos. (…) Censuraram-lhe muitas vezes essa voracidade do ‘nada que é humano me é estranho’; mas provavelmente era acima de tudo essa capacidade de risco (e de ridículo) que fazia dele um intelectual, ou seja, uma pessoa com uma imensa curiosidade pelo mundo.”

O título do filme, neste particular, faz-lhe justiça: Resistir à Cegueira do Mundo é uma forma de batalhar pela inteligência das coisas e é o próprio EPC que, no texto que fecha o livro O Cálculo das Sombras (ASA, 1997), o diz explicitamente: “O mais belo poema do mundo (por exemplo, ‘A Tabacaria’, do Pessoa-Campos) pode sempre ser lido de modo a que tudo fique massacrado e destruído, e face a esse tipo de barbarismo não há defesa que se invente.” Daí a urgência do conhecimento.

No primeiro texto do mesmo livro (“Dedicatória: Tu”, para o pai Jacinto), EPC descreve a casa paterna como lugar obrigado ao silêncio, para que o pai pudesse trabalhar: “Todos os dias chegavam livros, a casa era invadida pelos livros, os livros devoravam os espaços e eu começava a ler os livros que devoravam os espaços, e lia ao acaso das cadeiras. (…) O meu pai nunca impunha a leitura de um livro, lê este em vez daquele, e nunca desaconselhava a leitura de um livro. Deixava que as cadeiras decidissem — e eu lia.” O mesmo fez EPC com a filha, e ela di-lo no filme: nenhuma imposição, apenas o simples desfrutar da arte do mundo — enquanto na escrita ele o ia desafiando, numa provocação que ainda hoje nos é saudosa.

1
1