expresso.ptHenrique Monteiro - 4 dez 14:54

Carlos Amaral Dias: o homem que era tudo

Carlos Amaral Dias: o homem que era tudo

Sabia tudo e desse tudo fazia parte, com destaque, a cultura clássica greco-latina e as tradições judaico-cristãs

Era professor catedrático, mas era também aluno na ânsia de tudo aprender; analisava os outros e, com, humor deixava que o analisássemos nos mesmos moldes; chamou mestres a discípulos seus e, ao mesmo tempo que era incrivelmente adulto na análise dos fenómenos humanos, tornava-se extraordinariamente criança quando lhe dava para brincadeiras ou para birras. Carlos Amaral Dias que ontem faleceu aos 74 anos, os últimos dos quais conturbados por um AVC que lhe obscureceu os derradeiros anos de vida, era uma das poucas pessoas com quem se podia falar de tudo e de todos sem medir as palavras. Um homem livre que formou gerações de psicanalistas.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante

1
1