rr.sapo.ptrr.sapo.pt - 10 nov 18:59

Quem ganhou perdeu, quem perdeu ganhou. E fica tudo mais ou menos na mesma

Quem ganhou perdeu, quem perdeu ganhou. E fica tudo mais ou menos na mesma

O PSOE ganha, mas desce, o PP cresce mas não ganha e o partido que ficou em terceiro lugar canta vitória.

O PSOE de Pedro Sanchez venceu as eleições em Espanha, segundo as projeções avançadas pela imprensa ao fecho das urnas, mas sem maioria absoluta e mesmo com menos votos do que tinha conseguido em abril. Segundo a sondagem da GAD 3 para a TVE, o PSOE consegue entre 114 e 119 lugares no Parlamento, menos do que os 123 que tinha conseguido em Abril.

Quem ganhou votos foi o PP, de Pablo Casado, embora ainda assim não tenha conseguido ir para além do segundo lugar. Em abril o Partido Popular tinha conseguido apenas 66 deputados, mas consegue agora entre 85 e 90.

O maior vencedor desta eleição foi mesmo o Vox que apesar de apenas ter conseguido o terceiro lugar, viu a sua base eleitoral reforçada desde as eleições de abril, ultrapassando assim o Ciudadanos, um dos principais derrotados, e o Podemos de Pablo Iglesias. O Vox tinha conseguido eleger 24 deputados em abril e mais que duplica esse número, segundo as projeções, para entre 56 e 60. O partido já recebeu os parabéns de Matteo Salvini, líder da Liga, o partido de direita populista italiano.

A má notícia para a direita é que os votos do PP e do Vox parecem ter vindo de eleitores decontentes com o Ciudadanos, que passou de 57 deputados para entre 14 e 15, pelo que a direita continua sem capacidade de formar governo de coligação. A queda do Ciudadanos foi de tal forma que se viu ultrapassado - a fazer fé nas sondagens - pela Esquerda Republicana da Catalunha e fica como sexta força política.

O Unidos Podemos, de Pablo Iglesias, desce, segundo as projeções, de 42 para entre 30 e 34 deputados.

Apesar destas alterações nos números, contudo, os resultados em Espanha deixam a situação praticamente na mesma. No final da quarta votação em quatro anos nenhum partido tem maioria suficiente para formar Governo sozinho e por isso o PSOE terá de voltar à mesa das negociações para tentar convencer os outros partidos de esquerda, incluindo a Esquerda Republicana da Catalunha, que elegeu entre 13 e 14 deputados, a formar uma coligação que permita governar com estabilidade. A possibilidade de formar coligação com partidos separatistas pode ser um preço demasiado alto a pagar, porém, uma vez que parece ter sido precisamente o descontentamento com a situação na Catalunha que fez avançar o VOX nas urnas. São necessários 176 deputados para conseguir maioria absoluta no Parlamento espanhol.

A outra alternativa que cabe ao PSOE é formar um governo de bloco central com o PP, o que até agora não tem sido equacionado de forma séria, ou então formar um governo minoritário.

O Podemos, sabendo que enfrentava uma descida nas urnas, já disse que está disposto a largar as discussões e começar a trabalhar, indicando a disponibilidade para chegar a um acordo.

A abstenção aumentou de forma marginal nestas eleições, comparativamente com as de abril. Votaram 69,94% dos eleitores, um pouco abaixo dos 71,76% da última eleição.

[Notícia atualizada às 21h26]

1
1