expresso.ptexpresso.pt - 10 nov 17:05

Steve Bannon está preocupado: "A liberdade de Lula trará enorme perturbação ao Brasil"

Steve Bannon está preocupado: "A liberdade de Lula trará enorme perturbação ao Brasil"

O principal estratega da nova direita internacional não perdeu tempo a manifestar-se sobre a libertação do ex-Presidente brasileiro. Steve Bannon em entrevista à BBC News Brasil disse que Luís Inácio Lula da Silva funcionará como "um imã para a esquerda global se intrometer na política brasileira"

Foi o homem forte de Donald Trump durante a campanha eleitoral e o estratega do arranque do governo republicano, antes de rumar a Europa para sedear o seu núcleo de articulação política da direita internacional num convento italiano. Apesar de mais afastado dos holofotes, Steve Bannon está atento ao que se passa no mundo e a libertação do ex-Presidente brasileiro Luís inácio Lula da Silva não o deixou incólume. Em entrevista à BBC News Brasil, classificou o político brasileiro como "o maior ídolo da esquerda globalista do mundo" desde que Barack Obama deixou o executivo dos Estados Unidos.

"Agora que está livre, Lula vai virar um imã para a esquerda global se intrometer na política brasileira. Ele é o 'poster boy' da esquerda globalista", afirmou Bannon na entrevista divulgada este domingo. Disse ainda que Lula é "cínico e corrupto" e que o seu regresso significará a "volta da corrupção ao Brasil".

Classificou as suspeitas de utilização indevida de verbas pela campanha do atual Presidente Jair bolsonaro de "puro nonsense" e como uma tentativa de desestabilizar o governo. "Aconteceu o mesmo com Trump", garantiu Bannon na entrevista. Acrescentando ainda que o supremo Tribunal Federal atuou de forma "bastante evidente" para criar problemas a Bolsonaro, ao decidir na última semana que só devem ser presos apenas réus com todos os recursos esgotados. Esta decisão esteve justamente na origem da libertação de Lula da Silva na passada sexta-feira da prisão, depois de 580 dias nas instalações da Polícia Federal, em Curitiba.

Durante a entrevista, Steve Bannon sublinhou que o Brexit, a eleição de Donald Trump e de Jair Bolsonaro são fatores que estão "intrinsecamente ligados". Já as dificuldades em o Reino Unidos sair da União Europeia e o recente processo de impedimento contra o Presidente norte-americano, para Bannon, "mostram a ordem estabelecida a se recusar a reconhecer o poder desse movimento populista e nacionalista". Para completar que estes obstáculos não impedirão a tomada do poder: "Ainda estamos nos primeiros passos. É uma revolução."

1
1