Paulo Núncio lembra que Portugal tem tido um crescimento medíocre e que todos os anos perde posições para os países do leste europeu. Por isso, defende, é importante apostar numa política de competitividade fiscal para reduzir o IRC para os 17%.