visao.sapo.ptvisao.sapo.pt - 10 nov 23:41

A China maoista

A China maoista

Os 70 anos da chegada de Mao Tsé Tung ao poder, os 30 anos sobre os acontecimentos dramáticos de Tiananmen e os 20 anos da transição de Macau para a China são relembrados no número 55 da VISÃO História, em que se conta também a influência do maoísmo na política portuguesa. Um número com o contributo de vários especialistas, entre os quais António Costa Pinto e Miguel Cardina

Se quiser encomendar este número pela internet e recebê-lo comodamente em casa, pelo correio, pode encomendá-lo aqui.

Caso queira assinar a VSÃO História, e receber as 6 edições anuais em casa, clique aqui.

Sumário

Imagens: cartazes maoistas

Cronologia 7000 a.C.-1949 Um país vindo do fundo dos tempos

Mapa da China

O império moribundo Para compreender o que passou na China no século XX é necessário recuar cem anos, até à época em que as potências do Ocidente, fascinadas pelas «chinesices» e pelo lucro fácil, humilharam o antigo «Império do Meio» e lhe impuseram os «Tratados Desiguais». Por Luís Almeida Martins

Construir a modernidade A era republicana foi um período de convulsões políticas e militares, mas também de novas ideias, vanguarda cultural e transformação económica, por Helena F. S. Lopes

Mao Tsé-Tung e a reinvenção do comunismo O líder da revolução chinesa criou uma nova via para a tomada do poder, fundou uma nova China, afrontou a URSS da coexistência pacífica com o Ocidente e inspirou por todo o mundo movimentos de regresso à «pureza» marxista-leninista. Por António Costa Pinto

Mao ‘dixit’ Excertos do volume Citações do Presidente Mao Tsé-Tung,que teve distribuição internacional a partir de 1964, chegando a alcançar uma tiragem de 900 mil exemplares em múltiplos idiomas

O formigueiro azul Do auxílio soviético à rotura frontal, não foram fáceis os primeiros anos do novo regime comunista instalado em 1949 no país mais populoso do mundo. Por Luís Almeida Martins

Taiwan, a disputada Para Pequim, a grande ilha é uma província a reintegrar, como sucedeu a Hong Kong e Macau. Para os governantes locais, o futuro deve ser decidido ali. Por Helena F. S. Lopes

Pequim e Moscovo em rota de colisão A animosidade entre Mao e Khrushchev e divergências geoestratégicas estão na origem do cisma sino-soviético, que culmina num confronto armado entre as duas principais referências do «mundo socialista». Por Pedro Caldeira Rodrigues

Revolução Cultural, a última batalha de Mao Desencadeada em 1966 por Mao com a ajuda das Forças Armadas, serviços secretos e os jovens da Guarda Vermelha, esta convulsão inseriu-se numa luta fratricida pelo poder em nome da pureza ideológica- Por Pedro Caldeira Rodrigues

Opinião : Quando o maoismo se fez português Miguel Cardina

À procura do Homem Novo Viveram anos na China revolucionária. Conheceram o país por dentro, voltaram com memórias gratas. E, no entanto, qualquer coisa dentro deles, a meio caminho, se quebrou. Por Emília Caetano

Entrevista Fernando Rosas: ‘O grande contributo do maoismo foi a luta contra a Guerra Colonial’O historiador e dirigente do Bloco de Esquerda foi um dos fundadores do MRPP

Uma demora de 25 anos Portugal e a Irlanda foram os últimos países europeus a reconhecer a ‘nova’ China. Por António Caeiro

O império renascido Foi a seguir às turbulências da Revolução Cultural que a China deu o seu verdadeiro «grande salto em frente»: o que a transformou na grande potência que hoje é. Por Luís Cunha

O preço de Tiananmen O sangrento esmagamento das manifestações pela liberdade, em 1989, teve como contrapartida o enriquecimento individual dos chineses e como corolário uma guerra surda com o Ocidente. Por Eric Meyer

A fábrica do mundo A China aliou uma imensa força de trabalho a uma enorme capacidade de investimento e a um espírito reformista, sem tirar o socialismo da agenda. Por Clara Teixeira

Xi Jinping, o novo 'timoneiro’ Teoricamente, pode ficar até 2035 «ao leme, conduzindo o país por entre ventos e ondas, rumo a um futuro mais brilhante». Por António Caeiro

Macau, um pé na China De pequeno território autogovernado por portugueses com o consentimento chinês, a Cidade do Nome de Deus na China evoluiu para o estatuto de colónia no período das Guerras do Ópio (sem que Lisboa alinhasse com os restantes europeus) e para o de território chinês sob administração lusa, até ao seu regresso à «mãe-pátria». Por António Vasconcelos de Saldanha

Ser macaense Macau tende hoje a perder as características de espaço de «origem», para assumir as de território de acolhimento onde a comunidade macaense passa a sentir-se emigrante na cidade onde nasceu. Por Alfredo Gomes Dias

A longa marcha das negociações De 25 de abril de 1974 a 19 de dezembro de 1999, «a pedra polida a boiar no rio das Pérolas» foi o ponto nevrálgico da busca de entendimento luso-chinês. Por Pedro Vieira

Opinião: Macau, da transição para o futuro General Rocha Vieira

Crónica: Amanhecer em Ou Mun Memórias de quando Macau voltou a ser oficialmente chinesa. Por Luís Almeida Martins

1
1