www.publico.ptpublico.pt - 10 nov 21:03

Pressionado pelos militares, Evo Morales demite-se e põe um fim brusco a uma era

Pressionado pelos militares, Evo Morales demite-se e põe um fim brusco a uma era

Presidente demissionário acusou “forças obscuras” de destruir a democracia. Decisão de Morales é o culminar de semanas de instabilidade política na Bolívia.

O Presidente boliviano, Evo Morales, demitiu-se este domingo, depois de as Forças Armadas terem exigido o seu afastamento para que se ponha fim à instabilidade que assola o país.

Numa declaração ao país, Morales disse que lhe “dói muito” tomar a decisão de se afastar do cargo, mas fê-lo para procurar “a pacificação” do país. No seu discurso, deixou bem claro que não se demite por vontade própria, mas sim devido a um “golpe cívico, político e policial”.

Morales dirigiu-se também aos líderes da oposição que têm encabeçado os protestos das últimas duas semanas, pedindo-lhes que “não enganem o povo”. “Forças obscuras destruíram a democracia”, disse. “A luta não acaba aqui. Os humildes, os pobres, os sectores sociais, vamos continuar esta luta pela igualdade e a paz”, declarou o Presidente demissionário. O vice-Presidente, Álvaro García Linera, também se demitiu.

O candidato presidencial Carlos Mesa, que acusou Morales de fraude eleitoral nas eleições de 20 de Outubro, celebrou o que disse ser “o fim da tirania”. Em várias cidades houve grupos de pessoas a festejar o desfecho de uma crise que durava há duas semanas.

Horas antes, Morales, que está no poder desde 2006, tinha dito que pretendia repetir as eleições presidenciais, na sequência das irregularidades encontradas por uma missão da Organização de Estados Americanos (OEA).

A reeleição de Morales foi contestada pela oposição, que convocou manifestações em todo o país para denunciar os abusos cometidos pelas autoridades eleitorais. Para tentar acalmar os ânimos, o Presidente autorizou a OEA a enviar uma missão de observadores eleitorais para realizarem uma auditoria aos resultados. A equipa concluiu que houve irregularidades “muito graves” na contagem dos votos e aconselhou a realização de um novo sufrágio.

A pressão sobre Morales intensificou-se nos últimos dias, deixando poucas saídas para o chefe de Estado. Em várias regiões, a polícia juntou-se aos protestos anti-governamentais e este domingo o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, William Kaliman, exigiu mesmo a demissão de Morales. Para além disso, o Presidente assistiu a uma onda de demissões de ministros, governadores e titulares de outros órgãos públicos, como forma de tentar desanuviar a tensão nas ruas.

A demissão de Morales põe fim a uma era que durou 13 anos, desde a sua eleição em 2006 muito saudada internacionalmente. Evo Morales era um destacado activista pelos direitos das comunidades indígenas e, no poder, promoveu importantes reformas sociais e económicas, que tornaram a Bolívia num modelo de desenvolvimento na região.

Nos últimos anos, porém, a sua insistência em permanecer no poder, desafiando um referendo que chumbou o fim dos limites de mandatos, fez dele um líder desgastado, bem distante da popularidade que chegou a granjear.

1
1