expresso.ptPedro Santos Guerreiro - 9 nov 08:58

Despachar o lixo para debaixo do tapete

Despachar o lixo para debaixo do tapete

O Governo fez uma adjudicação sem concurso público, com o país de férias, a uma empresa que nem sequer pode

Meteram as mãos no lixo, sujaram-se, agora querem lavá-las com a água pouco benta. Que fique registado: a 28 de julho, já com as marias a banhos e a política em banhos-maria, quando a legislatura se extinguia e as cadeiras da Assembleia da República se cobriam de pó, o Governo atribuiu discretamente, sem concurso público e em exclusivo, um negócio de recolha de lixo a uma empresa liderada pela Mota-Engil. Se não fosse o presidente do regulador a encher o trombone de grito, a coisa tinha passado de fininho. Não passou: esta semana, a Procuradoria-Geral da República pôs em causa a legalidade de um negócio estimado em 70 milhões de euros, obrigando ao recuo do Governo, que se mostrou amuado quando devia mostrar-se envergonhado.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante

1
1