www.publico.ptpublico.pt - 8 nov 19:03

Novo livro sobre a Casa Branca traça retrato “arrepiante” sobre Donald Trump

Novo livro sobre a Casa Branca traça retrato “arrepiante” sobre Donald Trump

Em Warning, o autor anónimo de um artigo anti-Trump publicado em 2018 compara o Presidente norte-americano a “uma criança de 12 anos numa torre de controlo de tráfego aéreo”.

Em Setembro do ano passado, um artigo escrito por um autor anónimo e publicado no jornal New York Times fez soar os alarmes na Casa Branca e pôs o Presidente Donald Trump à procura de um “traidor” entre a sua equipa. No texto, uma pessoa que dizia ter um cargo de topo na Administração norte-americana denunciava a “amoralidade” do Presidente e tentava tranquilizar os cidadãos, dizendo que a Casa Branca tinha “adultos”, como ele, a trabalhar na sombra para evitarem as consequências das “más decisões” de Trump.

Um ano depois, e ainda sem se conhecer a sua identidade, o anónimo está de volta com um livro inteiro, de 259 páginas, onde diz que os “adultos” perderam o braço-de-ferro com o Presidente, e que agora só resta esperar que os eleitores o afastem da Casa Branca em Novembro de 2020.

“Eu estava errado quando falei na existência de uma ‘resistência silenciosa’ no interior da Administração Trump”, escreve o autor anónimo no livro Warning (Aviso), com data de publicação marcada para 19 de Novembro. “Os burocratas não eleitos e os responsáveis nomeados nunca iriam pôr Donald Trump no caminho certo, nem iriam refinar o seu estilo de gestão perverso. Ele é o que é.”

No livro, o autor compara o Presidente Trump a “uma criança de 12 anos numa torre de controlo de tráfego aéreo, a carregar nos botões do governo de forma indiscriminada, indiferente aos aviões a derraparem na pista e aos voos a serem desviados do aeroporto de forma frenética”.

Noutra passagem, Donald Trump é comparado a “um tio idoso que corre nu pelo pátio do lar, a chamar nomes à comida da cantina, enquanto os funcionários tentam apanhá-lo”.

“Ficamos atordoados, divertidos e embaraçados ao mesmo tempo. Só que o tio provavelmente não vai fazer aquilo todos os dias, as palavras dele não vão chegar ao grande público e ele não terá de liderar o Governo dos Estados Unidos quando vestir as calças.”

Os jornais que tiveram acesso ao livro uma semana antes da publicação, como o New York Times e o Washington Post, indicam que Warning inscreve-se na linha de outras obras que descrevem um estado de caos e pânico constantes na Casa Branca e que retratam o Presidente Trump como uma pessoa incompetente e ignorante – e não como um líder inteligente e sagaz, embora com políticas prejudiciais para o país e para o mundo, como dizem outros críticos. O Washington Post diz mesmo que o livro traça um retrato “arrepiante” de um Presidente “cruel” e “perigoso para a nação”.

Apesar de ser anónimo para o grande público, o autor do artigo publicado em Setembro de 2018 – e também autor do livro Warning – é conhecido de um grupo restrito no jornal New York Times. E os responsáveis pela publicação do livro, da editora norte-americana Twelve, disseram na semana passada que se trata de “uma pessoa séria e um bom exemplo do grupo de adultos” na Casa Branca.

“Se a sua identidade fosse denunciada, ou se decidisse revelar a sua identidade, eu não teria quaisquer preocupações. Sinto-me muito orgulhoso de publicar esta pessoa”, disse Sean Desmond, da editora, ao New York Times.

Em 2018, três livros de autores muito distintos, e com ligações diferentes ao Presidente Trump, contaram essencialmente a mesma versão sobre os dias de trabalho na Casa Branca.

Em  Fire and Fury  (Fogo e Fúria), o jornalista Michael Wolff, conhecido pelo seu estilo provocador e muitas vezes acusado de usar métodos questionáveis para obter informações, disse que toda a gente à volta de Trump acredita que ele é incompetente para o cargo; em Fear (Medo), o respeitado jornalista Bob Woodward, uma referência na profissão desde os tempos do escândalo de Watergate, conta que os conselheiros do Presidente chegam a tirar de cima da sua mesa documentos que não querem ver assinados; e em Unhinged, Omarosa Manigault Newman, antiga concorrente do reality show O Aprendiz e ex-directora de comunicação da Administração Trump, diz que as funções cognitivas do Presidente norte-americano estão “em declínio”.

1
1