expresso.ptexpresso.pt - 8 nov 18:06

Duarte Fernandes. O resistente anónimo executado aos 40 anos pela Inquisição

Duarte Fernandes. O resistente anónimo executado aos 40 anos pela Inquisição

Acusado de ser sacerdote numa comunidade de escravos e mouriscos que eram muçulmanos em segredo, Duarte Fernandes terá dito que “fizessem dele o que quisessem, que não havia de dizer mentiras”. Tinha cerca de 40 anos, e foi executado numa praça de Lisboa em 1555. Este é o primeiro de uma série de doze artigos sobre rebeldes e resistentes do século XVI ao XIX. Uma parceria da Universidade de Évora com a Casa da América Latina e o Expresso, para ler todas as sextas-feiras

A 14 de outubro de 1553, um indivíduo de origem marroquina, Duarte Fernandes, foi aprisionado no Tribunal do Santo Ofício de Lisboa. O seu processo decorreu durante perto de ano e meio, até 3 de março de 1555, quando foi executado no auto de fé - o ritual de penitência pública de hereges e apóstatas durante a Inquisição - realizado na Ribeira de Lisboa, cumprindo-se uma sentença de excomunhão maior.

O réu, com cerca de 40 anos, foi acusado de ser caciz, ou seja uma autoridade religiosa entre uma comunidade de muçulmanos escravos e mouriscos cripto-islâmicos, que atuaria na estrebaria do rei, na Mouraria de Lisboa. Era também denominado Cide Abdela, numa dualidade para a Inquisição, por si só denunciadora da sua verdadeira adscrição religiosa.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante

1
1