www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 7 nov 09:00

Silêncio, que se falou das secretas

Silêncio, que se falou das secretas

O barulho produzido pelo silêncio à volta dos serviços de informações indicia a existência de um regime de ilegalidades em que ninguém ousa sequer pensar. É, de facto, uma questão de Estado. Não pela sua dignidade, mas pela podridão - Opinião , Sábado.
Falar sobre os serviços de informações portugueses é como entrar num bairro onde ocorreu um homicídio e ninguém quer falar sobre o assunto. Nos últimos anos, os indícios da prática de crimes pelos espiões portugueses sucedem-se, porém há uma insondável falta de vontade política para levar a cabo uma profunda e minimamente esclarecedora investigação para se separar a realidade da fantasia.

É certo que o homem foi condenado por corrupção e espionagem e tentou justificar o dinheiro recebido de um espião russo com um negócio de azeite (toda a gente sabe que os russos são, por definição, azeiteiros), mas a entrevista de Frederico Carvalhão Gil, na semana passada à SÁBADO, acrescentou mais uns dados às suspeitas de ilegalidades, que nos últimos anos têm pairado sobre os serviços de informações. capa Assine já a Sábado digital por 1 euro para ler este artigo no ePaper ou encontre-o nas bancas a 06 de novembro de 2019.
Se já é assinante, faça login e leia o artigo diretamente no ePaper da SÁBADO.
1
1