www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 6 nov 07:00

Ser alternativo pode correr mal

Ser alternativo pode correr mal

Os casos que mais impressionaram a jornalista Lucília Galha no artigo de capa sobre as terapêuticas alternativas aconteceram com crianças: há pais que recusam dar antibióticos aos filhos e preferem remédios naturais que mais não são do que água com açúcar - Opinião , Sábado.
Só duas pessoas aceitaram falar na primeira pessoa com a jornalista Lucília Galha para contar o que correu mal quando recorreram às terapias alternativas. Apesar de isto ser uma coisa frequente – há bastantes casos em que quem procura essas práticas (como homeopatia, osteopatia, fitoterapia ou acupunctura) se dá mal, seja porque atrasa os tratamentos, porque os deixa ou até porque aquilo que faz nas alternativas interage com a medicação convencional.
"As pessoas têm vergonha de admitir. É-lhes difícil assumir que gastaram tempo e perderam dinheiro (e saúde) nas terapias alternativas", conta. Apesar das dificuldades, a jornalista da SÁBADO falou ainda com vários familiares de pessoas afetadas e com 15 profissionais de saúde, entre psiquiatras, oncologistas, pediatras, médicos de família, anestesiologistas, fisioterapeutas ou enfermeiros, traçando assim o retrato de mais de 10 casos de pessoas que apostaram nas terapêuticas alternativas e acabaram por ter graves problemas de saúde – em casos extremos, isso pode levar à morte.



Carvalhão Gil e a reação do silêncio
Esta semana trazemos-lhe a segunda parte da longa entrevista feita pelo diretor-adjunto da SÁBADO, António José Vilela, ao antigo espião Frederico Carvalhão Gil, que se encontra em prisão domiciliária condenado por corrupção. Como nota o jornalista, "esclarecedor tem sido o silêncio do Ministério Público, dos partidos políticos, do Conselho de Fiscalização das secretas portuguesas e da secretária-geral do SIRP".
Afinal, Carvalhão Gil só garantiu que o SIS tem há largos anos um sistema informático paralelo para iludir a fiscalização; que consegue faturações detalhadas de telemóveis e dados bancários de alvos; que entra ilegalmente em escritórios e empresas; e que tem destruído amiúde ficheiros ilegais que recolhe. Pois, é um condenado. Mas isso só o descredibiliza se estiver a mentir. E se alguém fizesse algo para saber se é verdade o que ele diz? Afinal, trata-se de um espião com 30 anos de serviço.

A jornalista Rita Bertrand e o chef Pedro Mendes, que andou a recolher legumes e ervas aromáticas na sua horta, junto à ribeira de Borba

Canivete com 100 anos para couves
A jornalista Rita Bertrand foi passar um fim de semana gastronómico em Vila Viçosa e saiu de lá com um cabaz de fruta e legumes, cortesia de Pedro Mendes. O chef do restaurante do hotel Marmòris, que revelou as suas criações à SÁBADO em vários menus de degustação, fez questão de lhe ir mostrar a sua horta, na Herdade da Ribeira de Borba – frisa que prefere trabalhar com produtos locais e que a sazonalidade e a frescura dos legumes, frutos e ervas aromáticas são essenciais na sua cozinha. Já na horta, o chef exibiu, vaidoso, as couves. A seguir, pegou num canivete com 100 anos, presente de um avô, e foi colhendo romãs sumarentas, brócolos gigantes, sálvia e salsa, tomates, alfaces e até abóboras – mesmo a tempo do Halloween. capa Assine já a Sábado digital por 1 euro para ler este artigo no ePaper ou encontre-o nas bancas a 06 de novembro de 2019.
Se já é assinante, faça login e leia o artigo diretamente no ePaper da SÁBADO.
1
1