eco.sapo.pteco.sapo.pt - 12 out 14:04

Estes são os 5 maiores projetos que estão a nascer em Lisboa

Estes são os 5 maiores projetos que estão a nascer em Lisboa

Há uma mão cheia de mega-empreendimentos, de quase mil milhões de euros, que prometem mudar o "skyline" da capital portuguesa. Conheça-os aqui.

Os preços do imobiliário começam a dar sinais de abrandamento, mas nem isso está a travar os investimentos do setor. As promotoras continuam a apostar milhões e milhões de euros em novos projetos. Só em Lisboa, desde o Lumiar, passando pelo centro e por Marvila e indo até Alcântara, há uma mão cheia de mega-empreendimentos que prometem mudar o “skyline” da cidade.

Os investidores e promotores imobiliários continuam a fazer all-in em mega-projetos, direcionados para todo o tipo de procura: da classe média à mais premium de todas. E os preços, claro, variam conforme o tipo de imóvel e a localização. O ECO reuniu os cinco mais imponentes que vão nascer na capital, de norte a sul de Lisboa, que, somados, totalizam quase os mil milhões de euros.

Um Braço de Prata de 400 milhões

É em Marvila que está a ser construído um dos mega-condomínios da cidade de Lisboa. São quase 130 mil metros quadrados que, dentro de cinco anos, terão 692 apartamentos com áreas que podem chegar aos 260 metros quadrados. O Prata Riverside Village (Prata) é um projeto da VIC Properties, com um passado bastante atribulado, mas que dá agora os primeiros passos, num investimento total de 400 milhões de euros.

Esta semana começaram as obras do lote 1, que terá 107 apartamentos, e que vai assim juntar-se aos lotes 7 (em construção) e 8 (já concluído). O lote 8, com 28 apartamentos, está todo vendido desde maio, e a maioria dos novos donos são portugueses. Relativamente a preços, os interessados devem estar preparados para desembolsar entre 440 mil euros e cerca de dois milhões de euros.

O objetivo da VIC Properties — que anunciou esta semana que vai entrar para a bolsa nacional no início do próximo ano — é ter os 12 lotes de apartamentos todos concluídos em quatro anos. As expectativas são altas, e nem a localização assusta. “Esperemos que [Marvila] seja mais do que uma zona in. Foi uma zona esquecida durante muitas décadas, apesar dos fantásticos acessos que tem, tanto à Expo, como ao centro de Lisboa e ao aeroporto e, sem dúvida, da fantástica vista que tem para o Tejo”, disse ao ECO João Cabaça, CEO da VIC Properties, no Salão Imobiliário de Portugal (SIL).

Mais 200 milhões na Alta de Lisboa

Mais a norte da capital, naquela que é conhecida como a Alta de Lisboa, a Solyd vai investir 200 milhões de euros na construção de mais de 500 apartamentos, distribuídos em cerca de dez edifícios. O objetivo é claro: dar resposta à falta de construção nova na capital. Serão mais de 120 mil metros quadrados de novas habitações, sendo que os primeiros edifícios começaram a ser comercializados no início deste ano, com preços entre os 2.700 e os 3.000 euros por metro quadrado.

A primeira fase do projeto já arrancou — o Lago Altear –, onde irão nascer três edifícios, num total de 101 apartamentos, de T1 ao T5. Além disso, haverá ainda sete espaços comerciais. Já os preços começam nos 250 mil euros, adiantou ao ECO Sónia Souto, direta comercial da Solyd, durante o SIL.

A primeira fase deverá ficar concluída em 2021. A construção já arrancou (…) e acreditamos que está tudo muito bem encaminhado. Estamos a apostar muito na Alta de Lisboa e, de facto, tem muito potencial. Sinceramente, é uma grande zona de Lisboa que vai nascer e elevar a vida de quem mora lá”.

Rivart… mesmo ao lado do LX Factory

“Chama-se Rivart e vai mudar a face de Alcântara”. É assim que o Grupo SIL olha para o novo empreendimento que está a construir naquela zona da capital, num investimento total de mais de 200 milhões de euros. As obras arrancam no início do próximo ano, mas este empreendimento já está a ser preparado há mais de 20 anos. Serão mais de quatro hectares de terreno, onde estiveram outrora a refinaria de açúcar da Tate and Lyle e a Castrol Óleos, um paiol de munições do exército.

Rivart, Grupo SIL

O Rivart vai contar com cerca de 230 apartamentos, de tipologias de T1 a T4 Duplex, com áreas entre os 64 e os 275 metros quadrados. Ao todo serão sete blocos com nove pisos acima do solo e três em cave. Todos os apartamentos terão terraços e varandas privativas, com vistas para o Tejo, para o Parque Florestal de Monsanto e para a cidade de Lisboa. Haverá ainda 1,5 hectares de novos espaços verdes e dois edifícios de escritórios.

Para nós é um projeto muito significativo, não é o maior que temos em carteira, mas é bastante importante. Os escritórios são direcionados às empresas exigentes, do ponto de vista de qualidade de trabalho, vistas e ambiente. Já os apartamentos serão direcionados para o segmento médio-alto e alto”, revelou ao ECO Pedro Silveira, presidente do Grupo SIL.

Este vai ser o edifício mais alto de Lisboa

Chama-se Infinity e está localizada em Campolide. Esta torre com 26 andares, num total de 80 metros de altura, vai ser o edifício mais alto de Lisboa. Vai contemplar 195 apartamentos de tipologias T0 a T5 Duplex, com preços a variar entre os 350 mil e os 4,5 milhões de euros. Um projeto de 50.000 metros quadrados, com vista para Monsanto e para o Tejo, levado a cabo pela imobiliária Vanguard Properties e construído pela Mota-Engil.

“Curiosamente este edifício tem tido muito interesse por parte dos portugueses. Neste momento temos cerca de 40 reservas, dos quais 33 são portugueses”, revelou ao ECO José Cardoso Botelho, diretor da Vanguard Properties. O condomínio vai oferecer aos futuros donos uma piscina exterior no 24º piso, uma piscina interior para adultos, outra para crianças, duas salas de festas, um mega ginásio, kids club, spa, salas de reuniões e pátio interior com jardim para um campo de padel.

Infinity, Vanguard Properties

A Infinity terá uma ligação direta pedonal e por ciclovia, que a liga, em cinco minutos, ao Parque Florestal de Monsanto. O investimento será de 80 milhões de euros.

Solyd e Habitat têm 55 milhões para projeto nos Olivais

Mais fora do centro, na Avenida de Berlim, nos Olivais, vai nascer o projeto ValRio Terrace Apartments. Este empreendimento, da responsabilidade da Solyd e da Habitat Invest, resultará de um investimento de 55 milhões de euros. Serão dois edifícios, compostos por 155 apartamentos, com tipologias entre T1 e T4, aos quais se somarão dois espaços comerciais.

As obras do primeiro edifício arrancaram no início do ano, em abril, mas só no mês passado é que os primeiros 100 apartamentos começaram a ser comercializados, estando já quase todos reservados. Para os interessados, os valores começaram nos 204 mil euros, aumentando conforme aumenta o número de divisões.

ValRio, Solyd e Habitat
1
1