www.jornaldenegocios.ptjornaldenegocios.pt - 12 out 17:00

Apesar do clima, 2019 parece ser uma “tempestade perfeita” para vinhos

Apesar do clima, 2019 parece ser uma “tempestade perfeita” para vinhos

Pouca produção, mas uma qualidade boa. É esta a expectativa para a colheita de 2019.

A 20 de setembro, as pessoas que apanhavam as uvas da Kistler Vineyards, em Sonoma, dirigiam-se aos vinhedos de chardonnay, às 2h da manhã, com lanternas para iluminar o caminho. A colheita noturna, quando faz frio, mantém a acidez das uvas, o que dá vigor aos vinhos brancos da vinícola. Às 9h da manhã, as uvas já estavam na plataforma de esmagamento, a ser transformadas em vinho.

Tinham um sabor delicioso. Mas, como em todas as regiões vinícolas durante a temporada stressante da colheita, as perguntas são: qual é o tamanho da colheita e qual a qualidade dos vinhos?

"Este ano tivemos sorte em Sonoma", diz Jason Kesner, enólogo da Kistler, com um sorriso de alívio. "2019 é uma safra clássica do norte da Califórnia."

Para acompanhar as últimas notícias sobre os vencedores e perdedores do mercado de vinho do hemisfério norte em 2019, fui a campo, pesquisei dados de telefone, twitter e email. A Mãe Natureza não foi igualmente generosa em todas as grandes regiões este ano.

França foi particularmente atingida. Ondas de calor recordes deixaram parisienses suados tentando refrescar-se nas fontes da cidade, enquanto as altas temperaturas secaram as uvas nas vinhas e literalmente interromperam o processo de crescimento por um período. A somar a tudo isto geadas de primavera, granizo e incêndios florestais. Segundo o Ministério de Agricultura de França, a produção total do país deve cair em 12%.

Como muitos enólogos franceses me disseram: bem-vindo aos novos extremos da mudança climática. A boa notícia é que ganharam uma certa prática em anos como o de 2003 para saber como lidar com o aquecimento global. Apesar de tudo, a qualidade parece muito boa. Confira as conclusões de algumas das principais regiões:

Bordeaux

Reina o otimismo. Há uvas brancas e muitos châteaux começarão a colher o cabernet em breve. Apesar das ondas de calor do verão, o consenso geral é de alta qualidade e quantidade razoável.

Menos mofo é o aspeto positivo do calor e da seca. No ano passado, o produtor biodinâmico Château Palmer, que não usa sprays químicos preventivos, perdeu a maioria das suas uvas em Margaux devido a um surto virulento após uma primavera quente e húmida. Não houve problemas este ano, segundo o presidente da empresa, Thomas Duroux: "Acabámos de colher merlot na semana passada, e os aromas são frescos e florais, com um equilíbrio excecionalmente bom que me agrada muito".

Toscana

Os "consorzi" regionais estão a prever um bom ano, com queda de produtividade entre 10% e 15%. (Isto é apenas parcialmente devido ao clima; o chianti está a reduzir a produção porque as suas vendas de vinhos caíram nos EUA e na Alemanha, os seus dois maiores mercados.)

Muitas áreas sofreram mais uma primavera fria e chuvosa, que inundaram o solo e atrasaram o ciclo de crescimento em cerca de duas semanas.

Ainda assim, a qualidade parece ser boa na Toscana. Stefano Cinelli Colombini, da Fattoria dei Barbi, em Montalcino, diz que as chuvas no início de setembro foram o refresco final necessário para as uvas. "São ricas em sabor", escreveu. "Esperamos Brunellos com alto teor alcoólico, vinhos poderosos que terão um potencial de envelhecimento extremo."

Espanha

Por enquanto, a colheita de 2019 ainda é uma incógnita em Espanha. O inverno foi ameno e muito seco, com mais chuvas de primavera do que o habitual e, apesar das altas temperaturas noutras partes da Europa, o verão não foi muito quente, diz Victor Urrutia, presidente da CVNE em Rioja, que também possui vinhedos em Ribera del Duero e Galícia.

Victor Urrutia acredita que esta colheita será entre muito boa e excelente, mas, como em outras partes da Europa, com produtividade muito mais baixa do que o esperado.

 
(Texto original: Despite Extreme Weather, 2019 Is a "Perfect Storm" Vintage for Wine)

1
1