expresso.ptexpresso.pt - 9 out 17:03

Mota-Engil ganha barragem em Angola e minas em Moçambique

Mota-Engil ganha barragem em Angola e minas em Moçambique

Mota-Engil reforça carteira africana em 250 milhões de euros. Em Angola, em seis barragem a concurso, cinco seguiram para construtoras chinesas. Sobrou a obra na província do Cunene, entregue ao consórcio em que a construtora da família Mota participa com 50%

Uma barragem em Angola (160 milhões de euros) e obras na mina de Moatize, em Moçambique, (90 milhões de euros): eis as novas lanças que a Mota-Engil espeta no mercado africano, reforçando a sua carteira em 250 milhões.

No caso de Angola, cinco das seis barragens que estavam a concurso foram adjudicadas a construtoras chineses. Sobrou a obra na província do Cunene, entregue ao consórcio em que a construtora da família Mota participa com 50%.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, a Mota-Engil dá ainda conta de uma terceira adjudicação,esta no mercado português.

Trata-se da construção para a promotora Vanguard Properties, do edifício residencial Infinity, em Lisboa. É um projeto com 195 apartamentos que representa 77 milhões de euros, com um prazo de execução de 28 meses.

Mas, é em África que o conglomerado dirigido por António Mota mais prospera, "reforçando a sua atuação no segmento das infraestruturas".

Domínio chinês

No caso de Angola, a barragem Calacuve, na província do Cunene, faz parte de um programa de barragens, sistemas de captação de água e canais adutores, lançados pela Presidência angolana.

O consórcio da Mota-Engil ganhou um dos lotes do “Programa de Ações Estruturantes de Combate aos efeitos da Seca". A empreitada de 177 milhões de dólares (160 milhões de euros) tem um prazo de execução de 20 meses.

Em Moçambique, a Mota-Engil África vai executar serviços mineiros em Moatize. A empreitada vale 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) e inclui a perfuração, desmonte com explosivos, carga e transporte do carvão da mina. Os trabalhos, a executar em mina a céu aberto, terão um prazo de 60 meses e arrancam já este mês.

A assinatura de um novo contrato em Moatize, diz a empresa, "suporta a expansão da atividade em toda a região de Tete" e reforça a posição da Mota-Engil "como empresa de referência no setor da mineração".

1
1