www.jornaldenegocios.ptjornaldenegocios.pt - 9 out 17:48

Euro nunca esteve tão bem. Centeno elogia Draghi na despedida

Euro nunca esteve tão bem. Centeno elogia Draghi na despedida

Os dois Mários encontraram-se pela última vez no Eurogrupo e Mário Centeno aproveitou para elogiar o papel de Mario Draghi enquanto salvador do euro.
O atual presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, foi esta quarta-feira, 9 de outubro, à sua última reunião do Eurogrupo e recebeu elogios do presidente do grupo informal que junta os ministros das Finanças europeus. 

"Hoje dizemos adeus ao presidente do BCE, Mario Draghi, no Eurogrupo. O euro nunca esteve num estado tão bom. Tal êxito deve-se, em grande parte, a ele", escreveu o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, na sua conta de Twitter, partilhando uma fotografia com Draghi.

Today we bid farewell to @ecb President Mario Draghi at the #Eurogroup. The euro is today is in a better state than it ever was. This is in no small part thanks to him. Thank you, Mario pic.twitter.com/kVG0g0pF8K

— Mário Centeno (@mariofcenteno) October 9, 2019
Esta última reunião do Eurogrupo na presença do presidente do BCE, que abandona o cargo a 31 de outubro (pelo meio ainda tem uma reunião de política monetária a 24 de outubro), tinha como foco o instrumento orçamental para a Zona Euro. Nos seus últimos discursos, Draghi vincou a necessidade de haver uma capacidade orçamental ao nível do euro para que seja possível lidar com os desafios económicos sem sobrecarregar a política monetária.

À entrada para a reunião, Mário Centeno disse esperar um acordo para que este orçamento da Zona Euro esteja operacional em 2021. "Temos importantes decisões para tomar no contexto do instrumento orçamental para a Zona Euro, em particular nas suas dimensões de governação e de financiamento", afirmou, citado pela Lusa.

Na próxima reunião do Eurogrupo a 7 de novembro será Christine Lagarde - que já frequentou o grupo informal quando foi ministra das Finanças em França - a representar o BCE. A ex-diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) também tem defendido a necessidade de haver capacidade orçamental ao nível da Zona Euro para lidar com desequilíbrios macroeconómicos.

Mais mudanças no BCE
Além da saída de Mario Draghi e a entrada de Christine Lagarde, que já tinha sido aprovada, há mais mudanças a ocorrer no comité executivo do Banco Central Europeu (BCE).

Na reunião de hoje, os ministros das Finanças reunidos no Eurogrupo deram "luz verde" à ida de Fabio Panetta, vice-governador do Banco de Itália, para o lugar do francês Benoit Coeuré que sairá do conselho executivo do BCE a 31 de dezembro. Este foi o único candidato apresentado pelos Estados-membros.

Caso passe todas as fases (Parlamento Europeu, Conselho Europeu e parecer do próprio BCE), Fabio Panetta entrará na sede do BCE, em Frankfurt, a 1 de janeiro de 2020 para ocupar o lugar de membro do conselho executivo do banco central da Zona Euro.

Além disso, é preciso encontrar um substituto para a alemã Sabine Lautenschläger que se demitiu no final de setembro antes de o seu mandato terminar. O processo de sucessão iniciará no Eurogrupo em novembro.

Hoje, o ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, garantiu que a Alemanha vai propor uma mulher para substituir Lautenschläger de forma a contribuir para a paridade nos órgãos do BCE. "Clubes exclusivamente de homens não são uma boa ideia", disse Scholz. De facto, a maior parte dos governadores dos bancos centrais dos países da Zona Euro são homens assim como os membros do comité executivo.
1
1