www.publico.ptpublico.pt - 20 set 07:34

Nuno Cardoso está pronto para a guilhotina

Nuno Cardoso está pronto para a guilhotina

Nuno Cardoso passou mais de 20 anos a morder os calcanhares de A Morte de Danton, mas só agora as coisas se alinharam para que finalmente pudesse apossar-se da tremenda obra-prima em que Georg Büchner autopsiou, ainda quente, o cadáver da Revolução

Cinquenta anos quase feitos (só falta um), e Nuno Cardoso ainda tem medo de A Morte de Danton medo da fulminante anatomia de um gigante da Revolução Francesa, Georges Danton, com que Georg Büchner se tornou um gigante do teatro. E no entanto, à beira dele, Danton e Büchner seriam uns miúdos: Danton tinha 29 anos no dia da Tomada da Bastilha e morreu guilhotinado aos 34; Büchner tinha 21 anos quando escreveu A Morte de Danton e morreu de tifo aos 23. Ambos viriam a conhecer, porém, uma fortuna póstuma colossal, e Nuno Cardoso tem a franqueza de não dissimular demasiado, sobretudo agora que assumiu a direcção artística do Teatro Nacional São João (TNSJ), uma certa vontade de posteridade. Embora não seja exactamente isso que lhe chame a uns dias da estreia do espectáculo, quando o Ípsilon o encontra para quase uma hora e meia de entrevista (e apenas dois cigarros): “Há sempre uma espécie de vertigem suicidária a que os seres egoístas o suficiente para serem encenadores não resistem, e que é esta roleta russa de abordar um colosso. Tem a ver com o medo que sentes porque não percebes metade do que está ali, um medo que é quase erótico; e também com o facto de saberes que, enquanto encenador de repertório, és um autor de segunda classe, ou seja, precisas de te confrontar com uma obra que possas comer e regurgitar para que o que tens como discurso ganhe carne.”

1
1