mag.sapo.ptmag.sapo.pt - 20 set 09:11

Viana do Castelo restaura filme com 60 anos de representação popular bicentenária

Viana do Castelo restaura filme com 60 anos de representação popular bicentenária

"Auto de Floripes" é de 1959 e retrata a peça de teatro popular com o mesmo nome, representada há 200 anos em Viana do Castel....

O filme Auto de Floripes, produzido em 1959 que retrata a peça de teatro popular com o mesmo nome, representada há 200 anos em Viana do Castelo, vai ser restaurado, num investimento de 13 mil euros, hoje aprovado.

A proposta de restauro da película foi apresentada pela vereadora da Cultura, Maria José Guerreiro, em reunião camarária, tendo sido aprovada por unanimidade.

De acordo com o documento, "o filme Auto de Floripes foi produzido em 1959 pela secção Experimental do Clube Português de Cinematografia - Cineclube do Porto e retrata a peça de teatro popular com o mesmo nome, que se representa anualmente, em 5 de agosto, no Lugar das Neves, uma convergência de três freguesias pertencentes ao concelho de Viana do Castelo: Barroselas, Mujães e Vila de Punhe".

Em causa está uma representação popular que todos os anos é feita na tarde de 5 de agosto, durante as festividades do lugar das Neves, comum a três freguesias, Vila de Punhe, Mujães e Barroselas, todas na margem esquerda do rio Lima, em Viana do Castelo.

Continuar a ler

O auto é levado à cena por cerca de 25 comediantes populares da região e baseia-se num episódio extraído da guerra entre o imperador Carlos Magno e o rei turco Almirante Balaão, uma disputa entre cristãos e mouros, que os primeiros acabam por vencer.

"O filme, apresentado em 1961, foi realizado a partir de uma ideia original de Henrique Alves Costa (1910-1988), sendo uma obra coletiva, entre outros, de António Reis, Luís Ferreira Alves, Henrique Alves Costa, Lopes Fernandes, Fernando Ferreira e Virgílio Moreira, bem como um registo ímpar na história do cinema em Portugal;", lê-se na proposta hoje aprovada.

Maria José Guerreiro sublinhou que a autarquia "reconhece a relevância e a mais-valia deste filme para a região, bem como a sua importância para a preservação da memória da celebração do Auto de Floripes que é parte integrante do património cultural imaterial português".

"O Clube Português de Cinematografia - Cineclube do Porto, em parceria com a Cinemateca Portuguesa - Museu de Cinema, deu início, no princípio de 2019, ao processo de investigação sobre o filme e de análise do estado da película, bem como ao processo de restauro e digitalização da mesma película para produção videográfica (edição em DVD e em DCP), acompanhada de edição de uma brochura explicativa com textos de personalidades relevantes na área e testemunhos de intervenientes no filme", especifica a proposta.

De acordo com a parceria hoje aprovada, o custo total do restauro ronda os 13.175 euros, sendo que o Cineclube do Porto suporta 8.225 euros e a Câmara de Viana do Castelo 4.950 euros.

O Núcleo Promotor do Auto da Floripes 5 de Agosto, responsável pela representação da peça no lugar das Neves, trata-se de uma "uma relíquia do teatro popular português".

A chegada dos exércitos ao campo de batalha é feita ao som de bandas de música, começando logo depois o duelo, interpretado pelo Conde de Oliveiros, pelo lado cristão, e por Ferrabrás, rei de Alexandria e filho de Balaão, pelo lado turco.

Oliveiros ganha o duelo, mas, numa cilada, é feito prisioneiro pelos soldados turcos, enquanto Ferrabrás, muito ferido, é abandonado pelos seus homens, que o julgam morto, sendo recolhido pelos soldados cristãos, que o levam para junto de Carlos Magno.

Este manda embaixadores ao rei turco a propor a troca de Oliveiros por Ferrabrás, mas Balaão recusa e manda Brutamontes, o bobo da corte, encarcerá-lo, após o que se sucedem trocas de embaixadas e mais guerras entre as partes.

É então que entra em cena Floripes, filha do Almirante Balaão, que consegue convencer Brutamontes a libertar Oliveiros, por quem está apaixonada, e os restantes prisioneiros, entregando-os a Carlos Magno.

O rei turco, ferido de raiva pela traição da filha, clama vingança, tendo então lugar mais algumas escaramuças entre cristãos e turcos, mas estes últimos acabam por se render, abandonando uns e outros o campo de batalha, novamente ao som das bandas de música.

Newsletter Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email. Notificações Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag. Na sua rede favorita Siga-nos na sua rede favorita.
1
1