www.dinheirovivo.ptdinheirovivo.pt - 20 set 08:10

Remessas de emigrantes voltam a disparar. Crescem 12,5% até julho

Remessas de emigrantes voltam a disparar. Crescem 12,5% até julho

Dinheiro da Suíça e dos EUA explica um terço da subida, mas países da União Europeia são ainda os que mais pesam. Valores superam 2,3 mil milhões.

As remessas dos emigrantes portugueses voltaram a disparar. Crescem nos primeiros sete meses deste ano em 12,5%, e já valem mais de 2,3 mil milhões de euros. A manter-se este ritmo, caminham para superar largamente os volumes de anos anteriores. Só em 2012 há registo de um ritmo comparável de aumento: as transferências da diáspora cresceram então 13% no ano completo.

Os dados do Banco de Portugal, publicados com a balança de pagamentos de julho, apontam a Suíça e os Estados Unidos como os principais países de destino de emigração que estão a fazer aumentar as remessas. Juntos, são responsáveis por praticamente um terço da subida verificada até julho – Suíça valendo 24,5% e EUA 8% dos ganhos neste ponto do ano.

Remessas
Infogram

Mas as remessas não estão a crescer em todos os países identificados nas estatísticas do Banco de Portugal. Além de Suíça e EUA, as transferências estão a subir em Itália, na Alemanha, no Reino Unido e nos países africanos de língua oficial portuguesa. Estão, por outro lado, a cair no Brasil, em Espanha, em França e na Holanda. A UE, em conjunto, representa ainda quase metade dos valores (mais de mil milhões), mas menos 3,3% do que no mesmo período do ano passado.

Apesar de tudo, a geografia da evolução das remessas não coincide com a evolução da emigração portuguesa. A Suíça, por exemplo, é um dos países que está a receber menos portugueses (-6% no ano passado), tal como França, Alemanha e Reino Unido.

“Os destinos tradicionais da emigração portuguesa estão a diminuir”, aponta Inês Vidigal, do Observatório da Emigração. Ainda que novos destinos, como Espanha, Holanda e Países Nórdicos, estejam a assistir a aumentos no número de emigrantes portugueses chegados nos anos recentes, estas subidas não compensam as perdas registadas.

Investimento e regresso

Mas as remessas estão em alta. Embora seja difícil determinar razões para as transferências, José Carlos Marques, do Núcleo de Estudos das Migrações do Instituto Politécnico de Leiria, aponta duas explicações prováveis.

Por um lado, a subida nos volumes vindos da diáspora pode ser “resultante de transferências monetárias para a subsequente realização de investimentos em Portugal, como aquisição ou construção de habitação, por exemplo, por parte dos emigrantes”.

Outra hipótese tem que ver com as intenções de regresso. Para José Carlos Marques, as remessas podem ter em vista a “concretização – ou, pelo menos, a planificação – do regresso de um número importante de emigrantes ao país”. “Antes de regressar ao seu país de origem o emigrante poderá transferir os montantes acumulados no país de destino para o país de origem”.

Segundo o investigador, “os dados relativos à Suíça parecem confirmar esta afirmação, dado que existem algumas notícias que apontam para o aumento dos regressos de portugueses residentes neste país – em virtude de se aproximarem da idade da reforma e das medidas relativas à declaração do património resultantes do acordo em matéria de transparência fiscal”.

Apesar de os números estarem a diminuir, Portugal continua a produzir anualmente vários milhares de emigrantes – foram mais de 191 mil nos últimos cinco anos. No contexto da União Europeia, continua a ser uma das economias da Europa ocidental onde o peso das remessas é maior (de 2% do PIB no ano passado).

A nível global, a tendência é de grande crescimento dos valores remetidos. Segundo os dados do Banco Mundial, no ano passado os fluxos de remessas subiam 8,8%, empurrados pelos aumentos das migrações, para 689 mil milhões de dólares (623 mil milhões de euros, no câmbio atual). Nos países em desenvolvimento, superam já os volumes de investimento direto externo ou de ajudas ao desenvolvimento.

Copy: Remessas
Infogram
1
1