www.publico.ptpublico.pt - 14 set 00:01

Chicago, de pés na terra e olhos no céu

Chicago, de pés na terra e olhos no céu

Chicago é uma das capitais de arquitectura do mundo, conhecida pelos seus ousados arranha-céus. Cidade apetecível para calcorrear, garante mais recordações do que uma selfie junto ao “feijão” ou uma foto no sky deck. Luísa Pinto conta o que fez na W

Tenho três dias livres, totalmente por minha conta, nenhum compromisso, zero contactos, poucas pesquisas e a terceira maior cidade os Estados Unidos da América aos meus pés. Estou em Chicago, em frente à Trump Tower, a despedir-me dos camaradas de profissão com quem passei os últimos dois dias de viagem, e de trabalho, e com quem tive primeiro vislumbre (e deslumbre) desta cidade. Famosa pelos bares de blues, pelos teatros musicais e pelos sucessos desportivos das suas equipas de basquetebol e de futebol americano, pelos filmes do Al Capone e da criminalidade organizada que floresceu durante a lei seca. Famosa pelos invernos rigorosos e os ventos cortantes, e, pelo menos para mim, também por ser a cidade palco do discurso de vitória de Obama que assisti pela televisão – onde raio seria aquele gigantesco parque? Chicago tem muitas famas, e foi o melhor dos acasos que a fez ganhar o meu ranking de cidades preferidas norte-americanas (estive em Nova Iorque há um ano, também no Verão). Tirando os blues (também fiz questão de ir a pelo menos um bar), e a fundação que Obama está a construir na cidade, não tinha comigo nenhum entusiasmo particular em explorar nada daquela lista de atracções e de famas. Mas apetecia-me tirar muito proveito. Tinha, sobretudo, muita, muita vontade de me deixar perder por entre os arranha-céus (cuja arquitectura surpreendia à primeira vista), e de explorar o mais possível a parte da fruição urbana que pressenti mal aterrei na cidade. Ah, e também queria visitar alguns museus. O Art Institut of Chicago era o único que eu levava na lista e sabia que queria visitar. O resto do tempo, achava eu, seria para passar ao ar livre, pés na terra e pescoço a apontar para o céu.

1
1