www.publico.ptpublico.pt - 13 set 17:46

Timor Leste, um lugar que já não existe

Timor Leste, um lugar que já não existe

Crónica dos leitores Pedro Martins e Liz Resende. Uma viagem a Timor para guardar na memória.

A viagem mais pitoresca até Díli faz-se de Mini Bus, vindos de Kupang (Timor Oeste), numa das várias companhias que percorrem esse trajecto. A sorte fez-nos escolher o autocarro mais colorido, mais musical e também, o mais lento! Os cerca de 300 km até à fronteira de Batugade, foram concretizados numas tortuosas nove horas de curvas, buracos e um calor abrasador. Um dos trajectos mais marcantes de toda a nossa viagem, tanto pela dificuldade como pela satisfação da prova superada.

Ao chegarmos a Atambua, ainda na parte indonésia da Ilha, foi-nos informado que os serviços fronteiriços estavam fechados e teríamos de cruzar a fronteira no dia seguinte. Pernoitamos nessa cidade e na manhã imediata, como previsto, rumamos a Timor Lorosae. A transição entre os países faz-se em dois compassos: em primeiro lugar, mostramos a documentação aos guardas indonésios, depois percorremos a pé uma estrada com meio quilometro que liga as duas nações para fazermos o mesmo procedimento já do lado Timorense. Posso desde já dizer que foram os 500 passos mais emocionantes que demos!

Chegar a Timor Leste, do outro lado do mundo, um local que só conhecíamos pelas referências e ligações históricas com Portugal foi tocante! Um destino que não estava nos planos de viagem mas que acabou por se tornar o mais relevante e destacado!

Se até aí tínhamos sido conduzidos pelo interior da ilha, agora seguíamos pela costa. Maubara, Liquiçá, Tibar. O mar azul cristalino alternava com povoações mais ou menos desenvolvidas, casas rústicas, animais livres, crianças e adultos sorridentes. Já se começava a notar algo que mais tarde se viria a confirmar: o povo timorense é extremamente educado e simpático! Claramente acima da média! E durante os dias que passamos em Díli e arredores, o que mais se destacou foram sempre as pessoas!

Timor é um lugar que já não existe em mais lado nenhum do mundo! A tranquilidade e a harmonia pairam no ar. Todos se cumprimentam, desinteressadamente, existe uma onda extraordinariamente positiva em todos os locais por onde se passa. Uma alegria constante e rara que é praticamente inexistente na sociedade ocidental nos dias de hoje. E por isso nos dá a sensação de estarmos a ser transportados para um conto, uma fantasia imaginada por um escritor idealista.

Para além dos passeios pela marginal, é obrigatória a visita à Praia do Cristo Rei de Microlete (transporte local), apanhar o Ferry Boat para Ataúro e pelo menos uma incursão a Maubisse nas carrinhas de caixa aberta (Angunas). Por um dólar temos acesso ao Museu da Resistência Timorense e um bom sumário da história desta jovem nação. A passagem pelo cemitério de Santa Cruz é um momento importante e solene para quem acompanhou à distância os terríveis acontecimentos que aí tiveram lugar. Quem tiver mais tempo pode ir até Baucau, Lospalos e Jaco, uma ilha paradisíaca no extremo leste do país.

Embora o tétum seja a língua mais falada, o português é facilmente compreendido até porque é uma gente que gosta muito comunicar! É completamente inacreditável a facilidade com que se abordam as pessoas na rua, como se estivéssemos num grande encontro familiar em que todos queiram contribuir para o nosso bem-estar! Uma maneira de ser e de viver que é contagiante!

No que toca à gastronomia os restaurantes locais servem diversos pratos de galinha, sendo o churrasco o mais popular. Beber uma água de coco junto à praia e provar a fruta das bancas de rua é algo imprescindível.

Visitar os mercados, passear pelas avenidas e principalmente conviver com os locais foi o que mais nos marcou e cujas memórias certamente perdurarão.

Ainda antes da despedida já a saudade desponta e a certeza que mais cedo ou mais tarde voltaremos a este local maravilhoso.

Pedro Martins e Liz Resende (texto e fotos)

1
1