www.dinheirovivo.ptdinheirovivo.pt - 13 set 20:39

Eles estão aí. Depois da luz, contadores inteligentes chegam ao gás natural

Eles estão aí. Depois da luz, contadores inteligentes chegam ao gás natural

Estão já a ser instalados 100 contadores inteligentes em Lisboa, Cascais e Sintra, informa Galp.

Depois da eletricidade, a nova geração de contadores inteligentes chegou ao gás natural em Portugal. De acordo com um comunicado da Galp, Lisboa é uma das primeiras cidades europeias a receber contadores inteligentes de gás natural na sequência do projeto-piloto Smart Metering que está a ser desenvolvido pela Galp Gás Natural Distribuição e pela Lisboagás, em parceria com a operadora de telecomunicações NOS.

Estão já a ser instalados 100 contadores inteligentes em Lisboa, Cascais e Sintra, informa a petrolífera, que opera em Portugal como comercializadora de luz e gás e também distribuidora de gás natural, tendo oito empresas operadoras de redes de distribuição em quase todo o país.

Até agora, os contadores inteligentes (digitais, por contraste com os antigos analógicos, e com capacidade de comunicar com a rede de distribuição) limitavam-se apenas à eletricidade, tendo a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) – após vários projetos-piloto já realizados em Portugal e com 2,3 milhões de contadores inteligentes instalados – aprovado recentemente o Regulamento dos Serviços de Redes Inteligentes de Distribuição de Energia Elétrica “que enquadra a prestação dos serviços no âmbito das redes inteligentes por operadores de rede e comercializadores”.

E “promove a introdução de soluções inovadoras e avançadas de medição, recolha e tratamento de dados de consumo e de produção nas redes elétricas de baixa tensão, como forma de integrar a evolução tecnológica e de acomodar no sistema elétrico, ao menor custo, as situações emergentes como a produção distribuída ou o carregamento de veículos elétricos”.

As redes inteligentes possibilitam fazer leituras à distância (sem recurso a funcionários dos operadores das redes ou do cliente), assim como realizar outras operações à distância como a alteração da potência contratada. Mas para isso é necessária a pré-existência das infraestruturas das redes inteligentes: contadores inteligentes aliados a sistemas de comunicações e de tratamento dos dados de energia. Para incentivar os operadores da rede de distribuição será atribuído um incentivo, ainda por definir.

“No imediato, as redes inteligentes não serão uma realidade universal no território”, admitiu a ERSE. No entanto, a EDP Distribuição garante que na rede elétrica “atualmente já 70% do consumo de energia é recolhido por telecontagem”, ou seja, remotamente.

Face às críticas à falta de fiabilidade da tecnologia que assegura a comunicação entre os contadores inteligentes e os postos de transformação, via rede elétrica (PLC), a EDP Distribuição chegou a admitir falhas, apostando depois em instalar sistemas GPRS, com cartões SIM dos telemóveis, nos contadores, sendo esta uma solução mais cara. Nos contadores de última geração as comunicações já são feitas com base na rede móvel 4.5G da operadora de telecomunicações NOS. Em Lisboa, há pelo menos 100 contadores que comunicam através de redes móveis a funcionar em clientes finais.

Voltando ao gás natural, o projeto pioneiro agora desenvolvido pela Galp Gás Natural Distribuição e pela Lisboagás, em parceria com a operadora de telecomunicações NOS, incluirá testes em ambiente real “com recurso à mais recente tecnologia de comunicações NarrowBand-IoT (NB-IoT) suportada em novos modelos de contadores e em plataformas de gestão disponibilizadas pela NOS, que permitem uma comunicação de dados mais fiável e ágil”.

Esta nova tecnologia de conectividade NB-IoT, lançada em Portugal no final de 2018, tem uma largura de banda mais estreita, mas baseia-se num modelo idêntico ao da 3G/4G (rede móvel). As vantagens prendem-se com uma maior longevidade das baterias dos equipamentos; cobertura de longo alcance e em ambientes indoor; implementação simples, sem exigir investimento em redes proprietárias e integração com elevado número de equipamentos IoT.

“Os novos contadores inteligentes de gás estabelecem contacto remoto com a plataforma operacional que permite receber, em tempo real, os dados de consumo. Este projeto-piloto pretende validar os benefícios associados a esta tecnologia, para que possa vir a ser amplamente utilizada, assegurando assim a obtenção de diversas vantagens para os consumidores, nomeadamente, a garantia de que poderão passar a receber as suas faturas com base em consumos reais, evitando o recurso a estimativas e assegurando uma maior comodidade para o cliente”, refere o comunicado da Galp.

Este projeto de Smart Metering, diz a Galp, insere-se na aposta estratégica da empresa, que prevê um roadmap de iniciativas a desenvolver a nível nacional nos próximos meses e que tem como objetivo preparar as infraestruturas para os desafios da transição energética e assegurar a sua digitalização.

De igual forma, para a NOS, este é um projeto importante na sua estratégia de parceria com as principais empresas portuguesas, no caminho para a transformação digital, no qual a capacidade de desenvolver projetos à medida e interligar devices (IoT) é fundamental.

1
1