www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 12 set 05:30

Da maioria absoluta ao pentapartido

Da maioria absoluta ao pentapartido

O que está em cima da mesa nestas eleições legislativas é a escolha entre um poder absoluto e um outro que, seja qual for a sua geografia político-partidária, cheira ao bafio do velho pentapartido à italiana - Opinião , Sábado.
Esta campanha eleitoral ninguém quer a maioria absoluta do PS e de António Costa, mas todos querem casar com ele. Ninguém quer – e bem! – o poder absoluto de um só partido, mas todos querem, com exceção do CDS, uma qualquer forma de partilha do poder com os socialistas. A verdade é que, no estado em que vai o debate eleitoral, ou seja, num fraco nível de discussão de propostas sérias, estruturais e exequíveis para o País, tão má é uma coisa como outra.

O que está em cima da mesa é a mera substituição de um poder absoluto por outro, seja qual for a sua geografia político-partidária, cheira ao bafio do velho pentapartido à italiana. Tudo é consenso, tudo é negociável, todos estão na partilha do Orçamento do Estado, todos tratam da sobrevivência das suas máquinas partidárias e respetivo empreguismo. O BE luta pela sua agenda e pela sua clientela, o PSD, à deriva, invoca um imperativo patriótico para se pôr em bicos de pés e já admite acertar umas reformazitas com Costa. capa Assine já a Sábado digital por 1 euro para ler este artigo no ePaper ou encontre-o nas bancas a 11 de setembro de 2019.
Se já é assinante, faça login e leia o artigo diretamente no ePaper da SÁBADO.
1
1