expresso.ptexpresso.pt - 11 set 19:10

Vapor de água detetado pela primeira vez num planeta extrassolar na zona habitável em redor de uma estrela

Vapor de água detetado pela primeira vez num planeta extrassolar na zona habitável em redor de uma estrela

O planeta orbita a estrela anã vermelha K2-18, situada a 110 anos-luz da Terra, na constelação do Leão. As estrelas anãs vermelhas, mais pequenas do que o Sol, são as mais comuns na Via Láctea

Uma equipa de cientistas europeus detetou pela primeira vez vapor de água na atmosfera de um planeta extrassolar situado na zona habitável em redor de uma estrela, isto é, a uma distância da sua estrela em que a água poderá existir no estado líquido. O planeta chama-se K2-18b, tem oito vezes a massa da Terra e a sua atmosfera tem uma composição diferente da nossa.

A equipa pertence ao University College London e usou nas suas observações o Telescópio Espacial Hubble, que é gerido conjuntamente pela Agência Espacial Europeia (ESA, organização a que Portugal pertence) e pela NASA. A descoberta desta super-Terra acaba de ser publicada num artigo na revista científica "Nature Astronomy" .

O primeiro autor do artigo, Angelos Tsiaras, afirma que "encontrar água num mundo potencialmente habitável sem ser na Terra é emocionante", mas o K2-18b "não é uma Terra 2.0, porque é significativamente mais pesado do que o nosso planeta e tem uma composição diferente da atmosfera". Contudo, "coloca-nos mais perto de responder à questão fundamental: a Terra é única?"

Temperaturas que podem sustentar vida

Super-Terra é um planeta extrassolar com uma massa maior do que massa da Terra mas menor do que a massa do planeta gasoso gigante Neptuno. O K2-18b passa, assim, a ser "o único planeta conhecido que orbita uma estrela fora do Sistema Solar com água e temperaturas que podem sustentar vida", sublinha um comunicado da ESA.

Além da assinatura molecular de vapor de água encontrada pelos cientistas através do Telescópio Espacial Hubble, as observações feitas indicam também a presença de hidrogénio - essencial à emergência de vida - e hélio na atmosfera do planeta extrassolar. Mas os autores da descoberta acreditam que moléculas de azoto e de metano poderão estar também presentes na atmosfera do K2-18b, embora não tenham sido detetadas pelas observações.

Por isso, serão necessários mais estudos para estimar a percentagem de água e a cobertura da atmosfera deste planeta, que orbita a estrela anã vermelha K2-18, situada a 110 anos-luz da Terra, na constelação do Leão. As estrelas anãs vermelhas, mais pequenas do que o Sol, são as mais comuns na Via Láctea, a nossa galáxia.

Giovanna Tinetti, co-autora do artigo sobre a descoberta publicado na revista "Nature Astronomy", recorda que "cerca de 4000 planetas extrassolares já foram detetados mas não sabemos muito sobre a sua composição e natureza, mas observando uma grande amostra destes planetas, esperamos revelar no futuro os segredos da sua química, formação e evolução".

1
1