Eu tenho a sorte de me lembrar dos portugueses emotivos, curiosos e maçados – tanto mais que, quando havia uma pessoa fria e automática, era uma excepção.