www.publico.ptpublico.pt - 16 ago 07:30

Final da Taça do Rei 1991-92: o português de Madrid

Final da Taça do Rei 1991-92: o português de Madrid

Aproxima-se a tão aguardada estreia de João Félix em jogos oficiais com a camisola do Atlético. Há muitos anos que “Madrid” e “português” na mesma frase levavam quase inevitavelmente à sigla CR7. Mas antes houve outro. E com a camisola listada de ve

Em Maio de 1987, em Viena, Paulo Futre estava a fintar meia equipa do Bayern de Munique na final da Taça dos Campeões Europeus. Três meses depois estreava-se em jogos oficiais com a camisola do Atlético de Madrid, a 30 de Agosto, na primeira jornada da Liga espanhola. Protagonista da segunda maior transferência da história do futebol à altura (um pouco mais de três milhões de euros, na moeda actual), o jovem esquerdino depressa conquistou o coração dos adeptos “colchoneros”.

A época começou com um triunfo em casa frente ao Sabadell, por 1-0, e Futre foi substituído aos 68 minutos. Na semana seguinte, primeiro golo, na baliza do Maiorca, num jogo que termina empatado (1-1). O português volta a sair cedo, desta vez aos 60’, logo depois de decidir a partida. A partir daí tornou-se titular indiscutível – e insubstituível: termina a época como jogador mais utilizado pelo Atlético de Madrid, com 38 jogos, 3076 minutos, nove golos apontados

Logo na temporada de estreia, os sinais de que o Atlético estava a afiar os dentes ficaram bem evidentes: à quinta jornada, triunfo por 2-1 sobre o Barcelona no Camp Nou; na 10ª ronda, humilhação do eterno rival Real Madrid no Santiago Bernabéu, com um histórico 4-0 e mais um remate certeiro do genial número 10 nado e criado no Montijo. O Atlético termina a temporada na segunda posição, atrás do Barcelona, mas, em poucos meses, a Espanha do futebol já se habituou a admirar, ou a temer, o talento do português que ajudara a desbaratar as hostes germânicas na épica final europeia de 1987 conquistada pelo FC Porto.

Mais dez golos em 1988/89, outros cinco na temporada seguinte, quatro em 1990/91, o ano da primeira conquista colectiva em Madrid. Futre já é capitão de equipa e cabe-lhe erguer o troféu depois da vitória na final da Taça do Rei sobe o Maiorca, por 1-0. O Atlético aquecia os motores para o que aí vinha. E o que aí vinha ficou na história.

Um cumprimento em português

Final da Taça do Rei 1991/92. Palco: estádio Santiago Bernabéu, metade pintada de branco, a outra metade de vermelho, branco e azul. Em Espanha não há um estádio nacional e a final roda pelos grandes recintos do país. Por capricho, nesse ano joga-se em Madrid e a partida decisiva opõe os dois grandes emblemas da capital. Frente-a-frente, o Real de Buyo, Chendo, Michel, Hierro, Luis Enrique, Hagi e Butragueño e o Atlético de Miquel Soler, Manolo, Donato, Schuster e Futre. Nos bancos, respectivamente, Leo Beenhakker e Luis Aragonés.

Antes do jogo, reza a lenda, Aragonés fez a sua habitual prelecção, frisando os aspectos tácticos mais relevantes, mas guardou um desabafo para o final: “Perceberam isto tudo? Sim? Pois isto não vale nada. O importante é que vocês são os melhores e eu estou farto (tradução que lamentavelmente pouca justiça faz ao original “estoy hasta los huevos”) de perder com estes tipos, de perder neste campo.” Inspirados ou não pela chama do técnico, os jogadores do Atlético entraram em campo com tudo e ganharam. Futre fez uma exibição memorável.

Logo aos 7’, o alemão Bernd Schuster cobrou de forma exemplar um livre directo para o 1-0 e, antes da meia-hora, Paulo Futre assumiu uma diagonal do centro para a esquerda, recebeu um passe perto da quina da área e, sem se intimidar com a pressão de um defensor, progrediu dois ou três passos e desferiu um “canhotaço” ao ângulo superior da baliza do Real. O Atlético conquistou a Taça pelo segundo ano consecutivo.

“Um dos melhores golos da minha carreira”, garante Futre no seu livro El Portugués. No ano seguinte, já com a camisola do Benfica, fez um muito parecido ao Boavista, na final da Taça de Portugal que os “encarnados” venceram por 5-2. Um fogacho de euforia, antes do célebre “Verão Quente” na Luz, que terminou com as saídas de Paulo Sousa e Pacheco para o Sporting e a incrível novela João Pinto. Mas isso são outras histórias…

Futre, que lembra ainda o “grande ‘túnel’ sobre Chendo” como outro dos destaques dessa partida do Bernabéu, voltou a subir à tribuna para receber a taça das mãos do Rei de Espanha, Juan Carlos. Leia-se novamente El Portugués: “O Rei disse-me algo que jamais hei-de esquecer: ‘Fizeste um grande jogo e quero que saibas que fico muito honrado por entregar esta taça a um português.’ E falou em português correcto, consequência de ter vivido muitos anos no nosso país.”

Quase três décadas depois, a distância entre Madrid e Lisboa é ainda menor e muitos portugueses bons de bola já por lá deixaram a sua marca. Ficamos agora à espera para ver como os espanhóis vão aprender a pronunciar o nome “João Félix”.

1
1