www.publico.ptjmtavares@outlook.com - 15 ago 05:36

Hoje estou a sentir-me um bocado motorista

Hoje estou a sentir-me um bocado motorista

Como todos os portugueses, espero que a greve acaba depressa. Mas se o pessoal só é verdadeiramente de esquerda com gasóleo no depósito, então Marx precisa de reescrever O Capital.

No país dos dois pesos e das duas medidas, há certas coisas que me encanitam. Em relação a greves, tenho algumas regras que já repeti várias vezes, mas que vale a pena relembrar. Regra 1: As greves na função pública ou em empresas do Estado dizem respeito a todos, porque somos nós, contribuintes, que pagamos os salários de professores, enfermeiros ou trabalhadores da CP. Regra 2: As greves no sector privado dizem respeito, em primeiro lugar, aos empregados e aos empregadores, ainda que possam afectar toda a população, como é o caso presente. Regra 3: As greves no sector do Estado são demasiado fáceis de fazer, porque o trabalhador não arrisca nada. Regra 4: As greves no sector privado são difíceis, porque o trabalhador arrisca todos os dias o seu emprego, seja porque a sua empresa pode deslocalizar-se (como no caso da Volkswagen e da Autoeuropa), seja porque a empresa pode fechar portas, o que não acontece com o Estado.

1
1