blitz.ptblitz.pt - 15 ago 22:56

Pequenos em Seattle, grandes no Minho. Os Car Seat Headrest já são heróis do Vodafone Paredes de Coura

Pequenos em Seattle, grandes no Minho. Os Car Seat Headrest já são heróis do Vodafone Paredes de Coura

Concerto certeiro de Will Toledo e companheiros, o terceiro em Portugal e o segundo no verde de Paredes de Coura. E como mudaram estas canções em carne viva

A primeira vez, no NOS Primavera Sound 2016, no Porto, foi inesquecível - e até há um vídeo que não nos deixa mentir ("man, what a crowd", diz um cliente satisfeito no YouTube); a segunda, no Vodafone Paredes de Coura 2017, nem tanto. À terceira, a banda de Will Toledo levantou poeira no mesmo espaço onde, há dois anos, foi apenas cumpridora debaixo de sol. A receção que lhes foi votada foi retumbante, prova de que "Twin Fantasy", acrescento na discografia (ou mais ou menos, já que se trata de uma regravação de um dos oito álbuns da fase lo-fi e caseira) desde a última vinda causou boa impressão.

Car Seat Headrest é indie rock nervoso, comunicação direta, eletricidade em carne viva combinada com um registo confessional que desvia rock do trilho 'macho' para o converter à religião da sensibilidade, da vulnerabilidade. Will Toledo começou por fazê-lo no quarto, agora parece cada vez maior numa banda e num grande festival. Também ele cresceu (e não falamos só do cabelo), pondo a sua timidez ao serviço de uma narrativa empática, com poucas palavras fora das letras das músicas, com riffs de guitarra enquanto vasos comunicantes. É o poder do rock em 2019: fazer mais com o que mesmo, não fazer mais do mesmo. E fazer mais sem soar a demasiado.

Os Car Seat Headrest que vemos e ouvimos em Coura 2019 deram uma volta ao seu repertório, tornando-o mais rock nuns casos, mais intimista noutros. Canções como 'Fill In the Blank' não soam já a descargas trepidantes, antes a onduladas canções elétricas com dobras dos anos 70, por um lado, e opções que associaríamos ao rock clássico avesso à esquisitice indie. O mesmo acontece como 'Destroyed by Hippie Powers'. Mas em vez de estranhar a mansidão, o povo abraça-a. A euforia é visível - e mesmo surfando por cima da primeira fila, os 'kids' (Adolfo Luxúria Canibal entre eles) cantam de cor as letras; isto não é só número.

Num concerto onde até houve, a dada altura, um 'mosh pit' (!), o grande momento foi 'Drunk Drivers/Killer Whales', belíssimo momento de comunhão desvairada, sendo secundado pelo fecho, 'Beach Life-In-Death', canção 'montanha russa' de "Twin Fantasy" que confirmou o que já se suspeitava: os Car Seat Headrest podem ser pequenos em Seattle, mas são grandes no Minho.

1
1