visao.sapo.ptvisao.sapo.pt - 14 jul 09:00

Os homo sapiens saíram mais cedo de África do que se pensava

Os homo sapiens saíram mais cedo de África do que se pensava

Afinal, o homem moderno viajou pelo mundo mais cedo do que se pensava. O que significa a descoberta desta semana para a História da nossa espécie?

Há 200 mil anos, a Terra era habitada por duas espécies humanas: o homo sapiens e o homem de Neandertal. Há registos da existência do Homem de Neandertal no território que hoje chamamos de Europa, chegando também a alguns locais na Ásia. O homo sapiens, por seu turno, ocupava a região de África, expandindo-se por todo o mundo milhares de anos mais tarde e tornando-se a única espécie humana existente.

Os detalhes desta evolução territorial do homo sapiens, e da sua relação com o Homem de Neanderal, são ainda muito vagos para os historiadores. Quando é que a nossa espécie saiu do continente africano para se instalar noutros cantos do mundo?

Pensa-se que o homo sapiens terá chegado definitivamente à Europa há 40 mil anos. Contudo, existem provas de que alguns “homens modernos” terão migrado mais cedo, embora não se tenham estabelecido permanentemente.

O artigo científico publicado na última quinta-feira na revista Nature anunciou que um crânio de homo sapiens encontrado na Grécia pertence a um homo sapiens com 210 mil anos. A última prova encontrada do homo sapiens fora do continente africano é um maxilar descoberto em Israel com cerca de 180 mil anos.

Esta revelação significa duas coisas: em primeiro lugar, que o homo sapiens saiu de África 30 mil anos mais cedo do que anteriormente se pensava; em segundo, que esteve no continente europeu, onde só 160 mil anos mais tarde é que se viria a instalar definitivamente. A cronologia que se segue ajuda-o a perceber:

Cronologia dos acontecimentos referidos - as datas são aproximadas

Cronologia dos acontecimentos referidos - as datas são aproximadas

A descoberta dos esqueletos de crânios que deram origem a esta revelação deu-se nos anos 70, na gruta de Alpidima, em Mani, no sul da Grécia. Foram encontrados duas partes de crânios diferentes. Um deles pertence ao homo sapiens de 210 mil anos. O outro será de um homem de Neandertal que terá cerca de 170 mil anos.

Claro que, dada a distância entre as idades, estes dois seres em específico nunca se encontraram. A pergunta é, visto que habitaram o mesmo sítio, se em algum momento na História as espécies se cruzaram. Terão os homo sapiens se instalado na Grécia e, mais tarde, sido confrontados pelos homens de Neandertal que os expulsaram? Ou será que nunca se encontraram, tendo a população de homo sapiens desaparecido antes da chegada dos Neandertal? São questões a que só descobertas futuras poderão responder.

Num comentário ao artigo, o paleoantropólogo Eric Delson afirma acreditar que “os homo sapiens e os neandertais possam ter-se substituído uns aos outros uma ou mais vezes”, visto que coexistiram nas mesmas zonas da Europa e da Ásia.

1
1