sol.sapo.ptsol.sapo.pt - 14 jul 11:48

“Nunca sabia se os meus amigos estavam comigo por ser quem sou ou por ser o Ed Sheeran”

“Nunca sabia se os meus amigos estavam comigo por ser quem sou ou por ser o Ed Sheeran”

Durante uma entrevista de quase 50 minutos, o artista britânico falou do percurso que trilhou no mundo da música mas também da vida pessoal

Aos 28 anos, é um dos artistas mais bem sucedidos da atualidade e lançou quatro álbuns de estúdio desde 2011. Na última sexta-feira, Ed Sheeran lançou o No.6 Collaborations Project e, para assinalar a data, esteve à conversa com o apresentador e autor norte-americano Charlamagne tha God. Durante aproximadamente 50 minutos, o cantor que é carinhosamente apelidado de “Teddy” pelos fãs revelou alguns detalhes sobre a sua vida pessoal.

O jovem começou por abordar a temática da fama global alcançada, confessando que a mesma o afetou em termos psicológicos. As piores consequências? A ansiedade crescente e a dificuldade em confiar nas outras pessoas. A frustração de Sheeran recai na atenção constante que recebe e, particularmente, nos admiradores que falam com ele apenas para obter uma fotografia: “Faz-me sentir que não sou humano. Estou a ter um momento genuíno e ótimo com os fãs e, de repente, pedem-me para tirar uma selfie. Sinto que sou um animal do zoo. Mas não me quero queixar porque tenho um trabalho e uma vida fixes”, avançou.

Autor de sucessos como ‘The A Team’, ‘Thinking Out Loud’ ou ‘Shape Of You’, o britânico explicou que o álbum ‘Divide’, de 2017, lançou-o diretamente “para um novo nível de estrelato” e acrescentou que, a partir daí, percebeu que teria de ter cuidado nas relações interpessoais: “Reduzi o meu círculo de amigos ao mínimo para confiar em toda a gente. Nunca sabia se os meus amigos estavam comigo por ser quem sou ou por ser o Ed Sheeran”.

A verdade é que o sucesso também fez Sheeran questionar a relação que mantém com a antiga colega de escola e atual companheira, Cherry Seaborn, de 27 anos. “Penso constantemente: ‘Por que raio estás comigo?’ Ela podia estar com qualquer pessoa” esclarecendo que acha “querido” considerar que Seaborn é demasiado para si.

“Estou quase sempre em tour. Vou para a estrada e tenho esta crença de que aquilo que tem de acontecer, acontecerá” disse o também compositor, natural da cidade de Halifax, que afirmou já ter alcançado mais do que alguma vez imaginou e, agora, estar apenas a tentar divertir-se através da música.

1
1