observador.ptobservador.pt - 13 jul 22:25

Festivaleiros com pinta: uma espécie em vias de extinção no último dia de NOS Alive

Festivaleiros com pinta: uma espécie em vias de extinção no último dia de NOS Alive

Não foi fácil encontrar visuais dignos de fotografia no último dia de NOS Alive. Mas com esforço e persistência, tudo se consegue, de casais a combinar a referências ao culto mariano. Veja as imagens.

Chegou ao fim mais uma edição do NOS Alive. Modéstia à parte, no último dia de festival em Algés, caçar bom gosto foi uma tarefa hercúlea. Talvez por ser sábado, e porque quem sai de casa quer estar bem à vontade, quem sabe até aderir a uma versão festivaleira do fato de treino de centro comercial. Procurámos exceções — uma lantejoula ali, um animal print minimamente surpreendente acolá, algum rock’n’roll nas entrelinhas de um outfit.

Encontrámos Mónica e Filippo, um casal em perfeita sintonia. Ela espanhola, ele italiano, vestiram o mesmo padrão sem pensar duas vezes. Realmente, o e-commerce é um mundo. Sabrina e Tânia vieram para ver Bon Iver e The Chemical Brothers. A noite delas só pode acabar em clima de festa — a primeira arriscou num blusão rosa choque brilhante, a segunda deu tudo com um vestido de lantejoulas.

Conhecemos Eugene e Alina, dois russos (ele da Sibéria) pela primeira vez em Portugal. Nídia veio de Leiria para lançar charme em Algés. Tinha uma das saias mais giras de todo o recinto (com um padrão de correntes, meio vintage) e revelou-se uma entendida em perfumes. Ainda demos de caras com Bunny O’Williams, a rapariga da tatuagem ao peito com as palavras “Serenity Now”. Veio por Thom Yorke e porque ela própria esteve a passar música no pórtico do festival.

Para o ano, há mais NOS Alive — e com direito a Da Weasel –, até lá fique com os looks do último dia desta edição, na fotogaleria. 

Texto de Mauro Gonçalves, fotografia de Francisco Romão Pereira.
1
1