www.jornaldenegocios.ptjornaldenegocios.pt - 13 jul 15:00

Wall Street luta contra os robôs para ganhar no fecho da sessão

Wall Street luta contra os robôs para ganhar no fecho da sessão

ETFs alavancados, market makers e quants amplificam os movimentos matinais na sessão da tarde, tornando mais fácil adivinhar a direção dos preços de um determinado dia, quando o mercado à vista inicia as negociações.

Wall Street está a tentar lutar contra a revolução dos robôs perseguindo os milhares de milhões de dólares em ações que são compradas e vendidas em piloto automático nos últimos minutos de cada dia de negociação.

O UBS e o Société Générale estão entre as gestoras de ativos que exploram a loucura dos mercados perto do fecho da sessão, quando os programas informáticos - quants,

Nesse sentido, a volatilidade intradiária provavelmente será menor do que as oscilações de preços no fecho, segundo Sandrine Ungari, chefe de pesquisa quantitativa de ativos cruzados do SocGen, cujos estudos contribuíram para o design do produto.

A estratégia do SocGen funciona desta forma: uma posição comprada ou vendida nos futuros do S&P 500 é iniciada com base nos preços em relação ao fecho do dia anterior. Se forem mais altos, a estratégia será comprada e, se forem mais baixos, será vendida. Quando não há uma tendência clara, não há negociação.

Os produtos combinam uma série de obsessões de Wall Street, desde a revolução passiva até o boom de alta frequência. Empresas com grandes carteiras de negociação estão melhor posicionadas para executar as estratégias de alta rotatividade. Nenhum banco revela quanto dinheiro está a aplicar nestas estratégias, embora o UBS afirme que o interesse dos clientes é "forte".

Para Arnaud, a estratégia de acompanhamento de tendências é defensiva, já que se sai melhor quando os mercados são voláteis. Edwards, do UBS, vê a estratégia como "consideravelmente menos correlacionada do que outras estratégias tradicionais", porque pode vender em tendências de alta de longo prazo ou comprar em períodos de baixa prolongados.

O boom das negociações no fim do dia está a mudar a estratégia de André Honig na Transtrend, que gere um hedge fund de 5,4 mil milhões de dólares que ajustou o seu modelo quant para que os sinais sejam menos vulneráveis a picos no final da sessão.

O movimento das ações perto do fecho também pode oferecer oportunidades de negociação a melhores preços, segundo o diretor executivo do Transtrend em Roterdão, na Holanda.

"O que fizemos ao longo dos anos é adaptar a maneira como negociamos, de modo que agora somos capazes de atuar como provedores de liquidez durante esses momentos, em vez de consumidores de liquidez", disse Honig.

1
1