expresso.ptexpresso.pt - 14 jun 18:48

México reforça controlo na fronteira com a Guatemala a partir de terça-feira

México reforça controlo na fronteira com a Guatemala a partir de terça-feira

Presidente dos EUA tinha ameaçado o México com sanções tarifárias se este país nada fizesse para travar o fluxo de imigração ilegal que procura os Estados Unidos a partir das fronteiras mexicanas

O México vai enviar 6.000 soldados para a fronteira com a Guatemala na terça-feira, correspondendo a um dos compromissos com os EUA para conter a imigração ilegal, informou nesta sexta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, tinha ameaçado o México com sanções tarifárias se este país nada fizesse para travar o fluxo de imigração ilegal que procura os Estados Unidos a partir das fronteiras mexicanas.

O México comprometeu-se a endurecer as medidas de controlo fronteiriço e anunciou hoje que terça-feira irá enviar um contingente de 6.000 elementos da Guarda Nacional para a fronteira com a Guatemala, uma das portas de entrada mais procuradas por migrantes ilegais.

"O envio da Guarda Nacional será concluído na próxima terça-feira e foi preciso muito esforço para acelerar o processo", disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, numa conferência de Imprensa, na Cidade do México.

Ebrard disse que o contingente seria composto por polícias federais, infantaria e marinha, acrescentando que também serão enviados para a fronteira "825 funcionários do Instituto Nacional de Migração".

Ebrad reconheceu que até agora "não havia pessoal suficiente e isso era um grande problema" para identificar e controlar os migrantes.

Em 7 de junho, após vários dias de duras negociações, Washington e México chegaram a um acordo sobre a imigração ilegal, evitando assim a aplicação de tarifas sobre todos os produtos mexicanos importados para os Estados Unidos.

O Governo mexicano prometeu fortalecer os controlos da fronteira com a Guatemala, no sul do país, e acelerar o retorno de migrantes da América Central para os seus países, enquanto se aguarda o processamento de seus pedidos de asilo nos Estados Unidos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, recebeu com agrado o anúncio das medidas do Governo mexicano, reconhecendo o esforço que está a ser feito pelo país vizinho.

"Há uma grande diferença na fronteira entre hoje e a semana passada. O México fez um trabalho incrível, com o envio de 6.000 homens", disse hoje o Presidente norte-americano numa entrevista ao canal televisivo Fox News.

O chefe da diplomacia mexicana também disse que foi aberto um canal de diálogo com a Guatemala, as Honduras e El Salvador, com o México a pedir a colaboração das Nações Unidas para tentar resolver a crise migratória.

Como parte do acordo com Washington, o México concordou que as medidas tomadas sejam avaliadas dentro de 45 dias.

Se o fluxo de imigrantes ilegais em todo o país para os Estados Unidos não recuar, o acordo pode ser revisto, incluindo a introdução de uma reforma da lei mexicana sobre o direito de asilo.

1
1