observador.ptJosé Manuel Fernandes - 13 jun 07:49

Caro João Miguel, nós somos o país que escolhermos ser

Caro João Miguel, nós somos o país que escolhermos ser

É verdade: a corrupção vicia as regras do jogo e o elevador social está avariado. Mas não precisamos de um novo desígnio nacional, bastava-nos romper com o pântano moral das conveniências e compadrios

Aqui há uns anos tive uma conversa com um gestor que acabara por passar por uma experiência muito traumática, conversa que nunca esqueci. Originário de famílias muito humildes, confessara-me que atribuía boa parte da responsabilidade do seu fracasso a ser um “ousider”. Por outras palavras, não possuía as ligações certas, as amizades mais convenientes, os laços familiares indispensáveis.

Ouvi-o com cepticismo, mas tomei nota, até porque o respeitava e respeito. E desde então muito do que fui vendo acontecer neste nosso Portugal passou também pelo crivo dessa leitura, e com consequências devastadoras: no meu país a “igualdade de oportunidades” era bem menos real do que eu pensava e, sobretudo, do que o discurso oficial proclamava.

Revi todo este processo ao ouvir João Miguel Tavares neste 10 de Junho – e depois ao verificar como certos corifeus da nossa esquerda reagiram. E se até encontro na minha experiência de vida explicação para a minha ilusão – vivi os anos da “explosão” do sistema de ensino, tal como assisti de perto à radical substituição das elites proporcionada pela revolução de 1974, vi tantas mudanças que pensei que tudo era possível –, a verdade é que começo a ver cada vez mais exemplos de como há quem tenha os caminhos sempre abertos e quem tenha, por regra, os caminhos barrados.

“O sonho de amanhã ser-se mais do que se é hoje vai-se desvanecendo, porque cada família, cada pai, cada adolescente, convence-se de que o jogo está viciado”, disse João Miguel Tavares. E se nada choca mais do que a corrupção e o nepotismo às escâncaras – e já viram como não há semana, quase que não há dia, em que não tenhamos conhecimento de mais um caso, às vezes por via de uma operação policial, outras vezes por uma investigação jornalística, para não falar dos casos mais pequenos que nos vão contando –, o que deixa mesmo desamparado quem acredita nas virtudes do trabalho e do mérito é a percepção que essas virtudes não chegam. “Que é preciso conhecer as pessoas certas. Que é preciso ter os amigos certos. Que é preciso nascer na família certa.”

Isto é o que vemos. Depois há o que não vemos. O que apenas vislumbramos, e em raras ocasiões, como a que agora mesmo nos proporcionou Ruy Ventura numa Carta aberta a João Miguel Tavares. Conterrâneo e contemporâneo do presidente das comemorações do 10 de Junho, separava-o dele a origem social: João Miguel filho de funcionários públicos, Ruy de gente mais pobre. João Miguel pode vir estudar para Lisboa, Ruy teve de ficar pelo Politécnico de Portalegre. Quando terminou, alguém o aconselhou: “Concorra para sair daqui. Nesta terra nunca lhe perdoarão ser filho de um operário e de uma costureira.” Assim fez, mas um dia quis regressar, tirou o mestrado, já ia para doutoramento, mas teve o azar de não querer entrar para o partido – e o lugar a que concorreu foi para a filha do ex-autarca do “partido da mão fechada”. Voltou a ter de deixar a sua terra.

A razão porque tantos portugueses se identificaram com o que ouviram a João Miguel Tavares está, julgo eu, em ele ter dito onde está o desespero – está no “sentimento de que não vale a pena esforçarmo-nos para que as coisas sejam de outra forma, porque nunca serão” – e por onde pode passar a redenção: sermos capazes de responder aos emproados que somos cidadãos que todos os dias fazem “a sua parte para que possamos viver num Portugal melhor e mais justo”.

Não creio, ao contrário do que JMT sugeriu, que seja missão dos políticos darem-nos alguma coisa em que acreditar ou que todo o país deva partilhar um mesmo objectivo comum. Mas já creio que não podemos apenas aplaudi-lo quando coloca o dedo nas nossas feridas – a corrupção, a amnésia dos responsáveis, os desperdícios e as bancarrotas, a Justiça quase parada, o crescimento anémico – e no dia seguinte voltarmos ao nosso alheamento, à nossa anomia.

Vamos lá entendermo-nos: nós não chegámos a este ponto por acaso. Nós somos o país que escolhemos ser – noutros tempos o do respeitinho, agora o que encolhe os ombros para não ter chatices e se alheia cada vez mais da vida da colectividade.

Dois exemplos que revelam imenso.

Primeiro, Vítor Constâncio. Vou ser franco: não o tenho por vigarista. Contudo restam-me poucas dúvidas que assistiu sem se opor, ou mesmo sendo cúmplice, ao que hoje reconhecidamente se sabe ter sido um assalto ao poder no maior banco privado português orquestrado pelo então primeiro-ministro José Sócrates. Porquê? Não percebeu? Não quis perceber? Tinha outras prioridades?

Em 2007 quem tivesse os olhos bem abertos nem necessitava de estar no coração do poder para conhecer a natureza do então primeiro-ministro. No entanto nesses dias os recados que os meus amigos me faziam chegar era para ter cuidado e estar calado. Não segui esses conselhos. Mas quantos os seguiram? Quantos preferiram negar o que entrava pelos olhos dentro até para lá de todos os limites razoáveis? Quantos tiveram medo da verdade e da ruptura? Quantos colaboraram achando que torcendo um pouco os seus princípios diminuíam os danos?

Depois, dezoito câmaras municipais. Esta semana. Mais as da semana passada. O que é que já ouvimos dos líderes políticos? Silêncios. Ou então hipocrisias. Fingimentos. Manobras de controlo de danos. Olhamos para eles e suspeitamos que só não querem que a casa pegue fogo. Afinal as eleições são já em Outubro. Afinal parece que a peste tocou todos (e podia ser de outra forma?).

Pior. Horas antes de 200 homens saírem para o terreno sob o comando de equipas do Ministério Público sabemos que nesse mesmo Ministério Público reina a inquietação. O Governo e o PS preparam uma alteração ao estatuto dos magistrados. O PSD de Rui Rio pode estar pelos ajustes. A resultante será sempre uma Procuradoria-Geral da República mais domesticada, menos independente, menos capaz destas desagradáveis surpresas de entrar manhã cedo pelo escritório adentro com um mandato de busca, quando não mesmo de detenção para interrogatório. Mas quem se incomoda? Quantos se alarmaram verdadeiramente quando Joana Marques Vidal foi substituída? Onde esteve a revolta quando o Governo quis retirar as referências à corrupção do relatório da OCDE sobre Portugal?

Numa série magn��fica actualmente a passar HBO, Chernobyl, há um momento em que cientistas e responsáveis políticos discutem se contam ou não toda verdade sobre o que se passou naquele terrível desastre nuclear. Todos eles conhecem a verdade. Alguns deles contrapõem-lhe os “interesses do Estado”. E vacilam. Enfrentam genuinamente um dilema moral – mas porque a sua moral era a da União Soviética. Não era uma boa moral, era uma péssima moral.

Quando atrás disse que somos o país que escolhemos ser é porque quando confrontados com pequenos ou grandes dilemas morais, optamos demasiadas vezes pelo caminho mais fácil, temos – ou têm – princípios demasiado “flexíveis”. Quais eram os dilemas de Constâncio, que cálculos fez? Porque é que Jerónimo de Sousa e Rui Rio, que tenho por incorruptos, reagiram com tanta cautela (quando não azedume) às investigações que envolvem autarquias e tocam ou tocaram em gente que lhes é próxima? E quantos, como Ruy Ventura, não teriam aceite um cartão do partido para não atrapalhar uma carreira feita com todo o mérito?

Por tudo isto, caro João Miguel, é que aquilo de que gostei mais nas tuas palavras em Portalegre foi mesmo o apelo final a que não apenas quebremos o respeitinho, o que não me surpreende vindo de ti, mas assumamos as nossas responsabilidades cívicas.

É verdade, tens razão: não contamos só para pagar impostos. Tens ainda mais razão: ninguém pode tolerar ser destratado com um qualquer “quem é que tu achas que és?”

Mas a garra que nos torna diferentes nos momentos de crise, ou quando emigramos, tem de estar mais próximo daquilo que no discurso de tomada de posse de John Kennedy foi uma mensagem de esperança e que em Portugal devia soar como um grito de revolta: “Não perguntem o que é o que país pode fazer por cada um d vocês. Perguntem o que é que cada um de vocês pode fazer pelo país”.

Repito de novo: somos o país que escolhermos ser. Não podemos é aceitar ser apenas aquilo que convém a emproados, instalados e rentistas.

1
1