observador.ptobservador.pt - 17 mai 17:37

PCTP-MRPP em campanha na OGMA-Indústria Aeronáutica de Portugal, uma sobrevivente das imposições da UE

PCTP-MRPP em campanha na OGMA-Indústria Aeronáutica de Portugal, uma sobrevivente das imposições da UE

A OGMA, segundo o cabeça de lista do PCTP-MRPP, "foi das poucas que não foram desmanteladas no sorvedouro do desmantelamento que ocorreu em virtude da assinatura do pacto com a CEE".

O cabeça de lista do PCTP-MRPP às europeias, Luís Júdice, fez esta sexta-feira campanha à porta da OGMA, em Alverca, uma das poucas empresas da cintura industrial da região de Lisboa que “sobreviveu às imposições da União Europeia”

Pelas 14h30, uma comitiva do PCTP-MRPP concentrou-se junto à entrada da OGMA-Indústria Aeronáutica de Portugal, localizada no concelho de Vila Franca de Xira, para entregar o manifesto do partido aos trabalhadores, que iam saindo a conta gotas. Em declarações à agência Lusa, Luís Júdice referiu que a escolha da OGMA para fazer campanha se deveu à importância que a empresa teve no passado e continua a ter no presente.

A OGMA tem uma importância enorme no contexto da indústria em Portugal. Foi das poucas que não foram desmanteladas no sorvedouro do desmantelamento que ocorreu em virtude da assinatura do pacto com a CEE (Comunidade Económica Exclusiva)”, apontou. Nesse sentido, para o cabeça de lista do PCTP-MRPP, a OGMA é “uma bandeira da economia” e o exemplo de que “é possível ter indústria em Portugal”.

A OGMA tem atualmente em manutenção um conjunto de aviões C130, de França, Estados Unidos da América, Chile, Camarões, Espanha, Afeganistão, Níger, Brasil e da Força da Aérea Portuguesa , além de aviões P3, de Espanha e Paquistão, e aviões F-16, de Portugal e Holanda.

“É uma das poucas indústrias que existia naquela famosa cintura, pujante, de Lisboa. Só em Lisboa a indústria representava 50% do PIB (Produto Interno Bruto) e hoje é uma taxa, praticamente, residual, de três ou quatro por cento”, sublinhou. Face a este cenário, o PCTP-MRPP considera que a única forma de inverter esta situação é “sair da União Europeia e do Euro”.

“É necessário retomar o nosso tecido produtivo para que a nossa economia volte a ter uma vertente económica forte e volte a soberania ao país. Para isto é preciso que haja o retorno do escudo e é preciso a saída do euro que nos tolda todos os movimentos”, argumentou.

Entretanto, o PCTP-MRPP irá participar no sábado, juntamente com mais oito partidos, num debate sobre a Europa e o Trabalho, organizado pelos trabalhadores da OGMA e que se realizará no fórum cultural da Chasa, na cidade de Alverca. As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se a 26 de maio.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
1
1