expresso.ptexpresso.pt - 14 mai 12:43

Combustíveis. ANTRAM sufraga amanhã e quinta-feira acordo com o sindicato

Combustíveis. ANTRAM sufraga amanhã e quinta-feira acordo com o sindicato

A direção da ANTRAM organiza quatro sessões para ouvir os associados sobre o acordo que firmou na madrugada de sexta-feira com o sindicato dos motoristas de matérias perigosas

A direção da Associação Nacional de Transportes Públicos de Mercadorias (ANTRAM) enceta quarta e quinta-feira uma digressão pelo país para saber o que pensam os associados e sufragar o acordo de princípio que celebrou na madrugada de sexta-feira com o SNMMP - Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas.

Só após a ratificação dos associados a ANTRAM poderá assinar o pacto negociado e o sindicato cancelar o pré-aviso de greve, marcada para o dia 23 de maio.

Amanhã, a direção da ANTRAM reparte o dia pelo Porto e Coimbra, com sessões destinados aos associados do norte e centro do país. Segue-se no dia seguinte Évora e Lisboa, para os industriais se pronunciarem sobre os méritos do acordo firmado com o sindicato.

Só depois do processo terminar, as duas partes voltam a sentar-se à mesa no Ministério das Infraestruturas para assinar o pacto.

Acordo assinado, greve desconvocada

O SNMMP já avisou que só retira a ameaça de greve quando o acordo for assinado. O sindicato, segundo o seu porta-voz Pedro Henriques, ficou escaldado com a “quebra de compromisso da ANTRAM” após a ronda negocial desta semana e só concede valor a contratos escritos e assinados”.

Após uma semana agitada de avanços e recuos, o conflito entre os motoristas de combustíveis e associação patronal encaminhou-se na sexta-feira para um final feliz, mediado pelo Ministério das Infraestruturas.

O sindicato ficara agastado com com a divulgação pela ANTRAM de pontos salariais do acordo, acusando a associação patronal de de “mentir na substância, além de violar o princípio da confidencialidade e da boa fé negocial”.

As duas parte recusam falar em números. O comunicado da ANTRAM falava de um salário base de 700 euros, a partir de janeiro de 2020. O sindicato reivindica 1200 euros.

Mas, com as quatro rubricas de caráter obrigatório, o salário atual de 630 euros de um motorista é, na verdade, de 1040 euros - no caso das matérias perigosas há ainda o subsídio de risco de 7,5 euros por dia (165 euros para 22 dias).

A subida de 70 euros tem um efeito final no salário de mais 118 euros. O SNMMP não abdica da consagração da categoria profissional específica e defende um subsídio e risco de 240 euros mensais e a redução da idade de reforma.

Fontes sindicais reconhecem que a direção da ANTRAM “tem de gerir um equilíbrio difícil entre as reivindicações dos trabalhadores e a resistência das empresas em aumentar a carga salarial".

Por exemplo, a versão mais recente do contrato de trabalho que incluiu na tabela vários complementos salariais que representavam 30% do vencimento, conduziu a um aumento de 60 milhões de euros por ano nas contribuições pagas pelo setor para a Segurança Social.

9
1