expresso.ptexpresso.pt - 14 mai 08:14

Venezuela. Avião de carga chinês chega a Caracas com equipamentos médicos e medicamentos

Venezuela. Avião de carga chinês chega a Caracas com equipamentos médicos e medicamentos

Os suprimentos, cerca de dois milhões de unidades, serão agora distribuídos por agências designadas por Maduro. O Presidente venezuelano continua a beneficiar do apoio de Pequim, que se opõe a qualquer ação que cause tensões ou instabilidade no país latino-americano. A oposição exige “prova de vida” do vice-presidente do Parlamento da Venezuela

Um avião de carga chinês chegou, esta segunda-feira, a Caracas, revelou o Ministério venezuelano da Comunicação à CNN.

O avião transportava aproximadamente dois milhões de unidades de equipamentos médicos, incluindo remédios e material cirúrgico. Os suprimentos serão agora distribuídos por agências designadas pelo Presidente Nicolás Maduro.

A crise económica na Venezuela tem conduzido a uma escassez de alimentos e medicamentos, assim como a cortes generalizados de energia.

Em março, o canal de televisão estatal chinês CGTN noticiou que um avião com 65 toneladas de ajuda médica tinha aterrado em Caracas, naquele que terá sido o primeiro despacho de suprimentos de emergência da China para a Venezuela.

Mais de €44 mil milhões em dez anos

Maduro continua a beneficiar do apoio de Pequim, que se tem oposto repetidamente a qualquer ação que cause tensões ou instabilidade na Venezuela.

A China é credora de vastas somas de dinheiro do Governo de Maduro: na última década, Pequim emprestou mais de 50 mil milhões de dólares (44,5 mil milhões de euros) a Caracas através de acordos de petróleo em troca de financiamento.

O Presidente da Venezuela também já permitiu a entrada no país de ajuda de organizações não-governamentais, como a Cruz Vermelha. No entanto, recusa-se a abrir as fronteiras para a assistência de vários países, como os EUA, o Reino Unido, o Canadá ou a Alemanha, que reconhecem o autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, como o líder legítimo do país.

Oposição exige “prova de vida” de Zambrano

Entretanto, a oposição venezuelana denunciou que o paradeiro do vice-presidente do Parlamento, Edgar Zambrano, não é conhecido e exige uma “prova de vida”. Zambrano é acusado pelo Governo de Maduro de estar envolvido num movimento que, no dia 30 de abril, tentou forçar uma mudança de regime no país.

Num vídeo gravado no domingo, a filha Soley Zambrano explica que esteve no Forte de Tiuna, a principal base militar de Caracas, e no Helicoide, a prisão dos serviços secretos, e que não conseguiu obter qualquer informação.

A 10 de maio, um tribunal com jurisdição em casos de terrorismo ordenou que o vice-presidente da Assembleia Nacional, onde a oposição detém a maioria, ficasse em prisão preventiva. Zambrano é considerado o braço-direito de Guaidó.

O Supremo Tribunal de Justiça justificou a sua detenção com o flagrante cometimento dos crimes de traição, conspiração, rebelião civil, usurpação de funções, incitamento público à desobediência das leis e com ódio continuado”.

7
1