www.publico.ptpublico.pt - 13 mai 21:30

Acabar com beatas, dejectos e lixo: PAN quer brigada policial contra a poluição de Lisboa

Acabar com beatas, dejectos e lixo: PAN quer brigada policial contra a poluição de Lisboa

Será possível acabar com as beatas nas ruas de Lisboa? O PAN acredita que sim, com mais fiscalização e mais sensibilização.

De haver tantas espalhadas pelas ruas de Lisboa, as beatas de cigarro tornaram-se objectos quase invisíveis para a generalidade das pessoas. O PAN quer dar-lhes visibilidade – para acabar de vez com elas no espaço público da cidade.

O partido leva esta terça-feira a votos, na assembleia municipal, uma recomendação para que a câmara de Lisboa aposte na sensibilização, distribua cinzeiros portáteis aos fumadores e espalhe mais caixotes de lixo pela cidade. Mas mais: o Pessoas-Animais-Natureza sugere que se crie “um órgão de fiscalização municipal dedicado exclusivamente à poluição das ruas”.

Inês Sousa Real, deputada municipal do PAN, defende que a autarquia deve ter “uma visão estratégica para combater a poluição na cidade”, que inclui beatas mas também copos de plástico, pastilhas elásticas, dejectos caninos, papéis e quejandos. “Há uma grande debilidade na gestão dos resíduos em Lisboa”, diz a deputada ao PÚBLICO.

A proposta é que a câmara, as juntas de freguesia e a Polícia Municipal trabalhem em conjunto na fiscalização de más práticas e que tenham, ao mesmo tempo, “uma componente de sensibilização”. Isto poderia traduzir-se, exemplifica Inês Real, na criação de uma brigada ambiental dentro da Polícia Municipal, em moldes semelhantes àqueles em que funciona a Polícia Florestal em Monsanto.

Sendo a protecção ambiental uma das principais preocupações deste século, a deputada advoga que “é muito importante que a polícia acompanhe esta evolução”, até porque Lisboa ganhou o galardão de Capital Verde Europeia 2020 e “deve elevar a fasquia” da exigência.

As beatas provocam “um dano ambiental elevadíssimo”, pois têm uma “elevada concentração de substâncias nocivas”, lembra Inês Real. Quando vão parar ao chão, contaminam terra e água, podem voar ou ser transportados até ao Tejo e ao Atlântico. “Vão poluir o meio ambiente e ter efeitos nocivos para os animais”, que as comem tomando-as por alimento.

A câmara apresentou no início deste ano um novo regulamento para os resíduos urbanos na cidade que, entre outras medidas, prevê multas pesadas para quem seja apanhado em flagrante a atirar beatas para o chão. O regulamento ainda não está em vigor, faltando a sua discussão na assembleia municipal. O PAN até concorda com a existência de penalizações para infractores, mas Inês Real acredita que “deve ser feito um trabalho prévio para educar e sensibilizar” os lisboetas.

Além desta discussão, o partido também já conseguiu que a assembleia marcasse um debate temático sobre as alterações climáticas, no qual vai pedir à autarquia que declare o estado de “emergência climática” e assuma “uma visão estratégica ambiental” mais ambiciosa. Será a 28 de Maio.

88
1